Translate

sexta-feira, 30 de novembro de 2018

O que é ser santo?




✞ São João Batista, exemplo de santidade ✞
por Ellen G. White*

"Teorias equivocadas sobre a santificação também são causadas pela negligência ou rejeição da lei divina. Essas teorias, falsas na doutrina e perigosas nos resultados práticos, são, de modo geral, aceitas pelas multidões.

Paulo declara: "A vontade de Deus é que vocês sejam santificados" (1 Tessalonicenses 4:3). A Bíblia ensina claramente o que é santificação e como deve ser alcançada. O Salvador orou pelos discípulos: "Santifica-os na verdade; a Tua Palavra é a verdade" (João 17:17). E Paulo ensina que os cristãos devem ser santificados "pelo Espírito Santo" (Romanos 15:16).

Qual é a obra do Espírito Santo? Jesus disse aos discípulos: "Quando o Espírito da verdade vier, Ele nos guiará a toda a verdade" (João 16:13). Acrescenta o salmista: "A Tua lei é a verdade" (Salmo 119:142). Sendo que a lei de Deus é santa, justa e boa, o caráter formado pela obediência à lei deve ser santo.

Cristo é o exemplo perfeito de um caráter assim. Ele diz: "Tenho obedecido aos mandamentos de Meu Pai" (João 15:10); "Sempre faço o que Lhe agrada" (João 8:29).

Os seguidores de Cristo devem se tornar semelhantes a Ele; pela graça de Deus devem formar um caráter em harmonia com os princípios de Sua santa lei. Isso é santificação bíblica."
____
Fonte: White, G. Ellen, "A Grande Esperança", Ed. Casa (2011), pp. 58 - Imagem: Ícone de São João Batista/Pixabay - Sobre a autora: Ellen Gould White (1827-1915) foi uma escritora cristã norte-americana e uma das fundadoras da Igreja Adventista do Sétimo Dia. É uma das escritoras mais traduzidas da história da literatura mundial e é considerada profetisa pelos adventistas do sétimo dia.

terça-feira, 27 de novembro de 2018

Solução para causas urgentes? Santo Expedito atende você




Solução para causas urgentes? Recorra a Santo Expedito. Ele atende você!

Santo Expedito ✞ Rogai Por Nós
Considerado o santo das causas urgentes, ele é invocado para resolver problemas imediatos ou de difícil solução. Seu nome vem do latim expeditus, que significa, de maneira simples: "quele que age prontamente e traz soluções rápidas."

Conta-se que Santo Expedito vivia no pecado e sem fé, mas, tocado pela graça Divina, converteu-se ao Cristianismo, mesmo sofrendo ameaças de perseguição do imperador da época. O santo preferiu perder a vida a renunciar seu amor a Deus e à sua vida cristã.

Submetido a torturas intermináveis, ele foi decapitado, tornando-se um herói que morreu em defesa de Jesus Cristo.

Intercessão e fé

Ao espalhar-se pelo mundo, ficou conhecido como o "Santo da rapidez". É também considerado o protetor da juventude e dos militares por ter sido um comandante e cuidar de jovens soldados.

Muitos estudantes recorrem a ele em época de provas ou na hora de prestar o vestibular. Além disso, o santo é invocado para proteger viajantes que precisam chegar rápido ao seu destino.

Oração a Santo Expedito

"Ó, Deus, que a intercessão de Santo Expedito nos recorrente junto a Vossa Divina bondade, a fim de que, pelo seu auxílio, obtenhamos aquilo que nossos próprios méritos são impotentes para alcançarmos, Assim seja.

Nós Vós pedimos, Senhor, que orienteis, com Vossa graça, todos os nossos pensamentos, palavras e ações, para que eles encontrem em Vós, seu princípio e sejam por intercessão de Santo Expedito levados com coragem, fidelidade e prontidão em tempo próprio e favorável, a bom e feliz fim.

Por nosso Senhor Jesus Cristo. Assim seja!"


Ladainha de Santo Expedito
(para quem tem urgência em resolver algum problema, rezar durante 9 dias)

"Senhor, tende piedade de nós, Jesus Cristo, tende piedade de nós,
Senhor, tende piedade de nós, Jesus Cristo, escutai-nos, Jesus Cristo, atendei-nos, Pai Celeste que sois Deus, tende piedade de nós, Deus Filho, redentor do mundo, tende piedade de nós, Deus Espírito Santo, tende piedade de nós, Santa Maria, rainha dos mártires, rogai por nós, Santo Expedito, invencível atleta da fé, rogai por nós.

Santo Expedito, fiel até a morte, rogai por nós. Santo Expedito, que tudo perdestes para ganhar Jesus Cristo, rogai por nós. Santo Expedito, que sofrestes os golpes da chibata, rogai por nós. Santo Expedito, perecestes gloriosamente pela espada, rogai por nós. Santo Expedito, que recebestes do Senhor a coroa de justiça que Ele prometeu aos que O amam, rogai por nós. 

Santo Expedito, patrono da juventude, rogai por nós. Santo Expedito, auxílio dos estudantes, rogai por nós. Santo Expedito, modelo dos soldados, rogai por nós. Santo Expedito, protetor dos viajantes, rogai por nós. Santo Expedito, advogado dos pecadores, rogai por nós. Santo Expedito, saúde dos doentes, rogai por nós. Santo Expedito, mediador dos pleitos, rogai por nós. Santo Expedito, nosso socorro nas questões urgentes, rogai por nós. Santo Expedito, que nos ensinais que jamais é necessário remeter para o dia seguinte, para pedir com ardor e confiança, rogai por nós. Santo Expedito, sustentáculo fidelíssimo dos que esperam em vós, rogai por nós. Santo Expedito, cuja proteção à hora da morte é uma garantia salvação, rogai por nós.

Cordeiro de Deus que tirais os pecados do mundo, perdoai-nos, Senhor. Cordeiro de Deus que tirais os pecados do mundo, atendei-nos, Senhor. Cordeiro de Deus que tirais os pecados do mundo, tende piedade de nós, Senhor. Jesus Cristo, escutai-nos. Jesus Cristo, atendei-nos. 

Santo Expedito, rogai por nós, para que sejamos dignos das promessas de Cristo. Amém!"

Súplica a Santo Expedito
(para fazer um pedido)

"Ó Santo Expedito! Animados pelo conhecimento de que foram prontamente atendidos todos aqueles que vos invocaram à última hora , para negócios urgentes, nós vos suplicamos, que nos obtenha da bondade misericordiosa de Deus, por intercessão de Maria Imaculada (hoje ou no dia), a graça de (fazer o pedido) que, com toda submissão, solicitamos da bondade Divina. Amém!"

(Rezar 1 Pai Nosso, 1 Ave Maria e 1 Glória ao Pai)

sábado, 24 de novembro de 2018

Rezas para abrandar o coração de alguém




À Santa Catarina

“Minha Santa Catarina, vós sois a flor divina…
 Em sexta-feira da paixão foste a casa de Adão, 
encontraste três mil homens bravos como um leão… 
Todos eles abrandaste pela palavra da razão… 
assim vos peço que abrandeis de (fulano/a) o coração…”

Oração a Santo Antonio para amansar

“Meu glorioso Santo Antonio de Pádua,
Vós que em Lisboa foste achado.
Em Roma foste coroado,
pelo poder que Deus vos deu,
pelo amor que tendes a Deus,
pelo amor que Deus lhe tem,
pelo hábito que vestiste,
pelo coroado que cinjiste,
pelo cálice santo e hóstia que consagraste,
pelo senhor que nela achaste,
pela primeira missa que rezaste,
pelas ondas do mar que passaste,
quando foste livrar o vosso pai martim de bulhões
que inocentemente estava sendo condenado à morte,
por tudo isso vos peço, glorioso
Santo Antônio,
que assim como não dormiste,
não sossegaste,
nem paraste,
nos milagres que fizeste na vida,
não durmais,
não sossegais,
não repouseis
(dizer o nome da pessoa)
enquanto comigo não vier falar
e fazer o que eu quero,
já, já, já.”

Pequena e antiga Oração a Santo Antonio para amansar
(Para trazer namorada/o de volta)

"Santo Antônio pequenino amansador de burro bravo, amansai (fulano/a) para mim, e faça que ele me venha procurar e pedir-me desculpas pelo que me fez e me peça para voltar a ser meu/minha namorado(a). Que assim seja e assim será."

☞ Veja também: 13 simpatias para Santo Antônio, o "Santo Casamenteiro"

Oração a Santa Bárbara para amansar e chamar seu amor
(Senhora dos raios e tempestades - Invocada contra trovoadas e morte súbita - Celebra-se a 4 de Dezembro)

"Ó minha gloriosa Santa Bárbara, peço por todos seus martírios, pela espada e o caule, assim como vós abrandastes raios e trovões, abrandai o coração, a natureza, o pensamento e todo o mal da vida de (nome da pessoa). Ó minha gloriosa Santa Bárbara, trazei-me (nome da pessoa) manso, cordeiro, debaixo do meu pé esquerdo, com os poderes de Jesus, Maria e José."

terça-feira, 20 de novembro de 2018

Anjo Ierathel (Yeratel)




Ierathel é o 27º Anjo Cabalístico
"Tu conheces o meu assentar e o meu levantar, de longe entendes o meu pensamento”
(Salmos 139:2)

Aprenda a gastar seu valioso tempo por causas que valem a pena! Todos os dias pare alguns segundos e reflita internamente: Eu sou digno de mim!

O Anjo

Este anjo ajuda a confundir os conspiradores, protege contra as pessoas que nos atacam judicialmente, interfere na propagação das luzes e na libertação da sociedade.

Influência

Quem nasce sob esta influência deste anjo, é inteligente, equilibrado e maduro. Consegue equilibrar seus instintos individuais aceitando, sem necessariamente segui-los, os conselhos e demonstrações de carinho de todos. Tem forte iniciativa e perseverança, sua vida clara e plena de alegria, sustenta uma aparência nobre e refinada. Terá proteção contra qualquer tipo de força negativa e seu poder de ação é invencível. Fará tudo de modo lúcido e ponderado, por isso, suas iniciativas geralmente o levam ao sucesso. Terá uma enorme capacidade para conhecer o futuro, seja através dos oráculos, sonhos, projeções, reavaliando constantemente suas atitudes. Será defensor das ciências e das artes e mobilizará um grande número de pessoas por um ideal. Será um ser harmônico com plena visão e compreensão do mundo.

Profissionalmente

Poderá fazer sucesso como escritor, jornalista, assistente social ou qualquer atividade ligada à cultura e lazer.

Anjo Contrário

Domina a ignorância, a intolerância e a violência. A pessoa sob a influência deste anjo contrário poderá ser um defensor de sistemas autoritários, apoiando a exploração do trabalho escravo. Poderá praticar atos bárbaros e viver num mundo utópico e inacessível.

Categoria: Dominações 
Príncipe: Tsadkiel
Nome Divino: Téos
Protege os dias: 15/04 – 27/06 – 08/09 – 20/11 – 01/02
Número de sorte: 11
Mês de mudança: Novembro 
Carta do tarô: A força
Côr: Azul
Talismã: Turmalina Verde ou Sodalita
Planeta: Saturno
Está presente na Terra: das 8h40 as 9h00 da manhã 
Salmo: 139

Oração

"Ierathel, permita-me usar suas virtudes para iluminar tudo o que em mim permanece obscuro. Que eu seja um lago de fogo para purificar a todos que de mim se aproximarem. 

Ajude-me a compreender as coisas do mundo. E que a vontade de trabalhar e de aprender jamais acabe na minha alma. Quando meu espírito se elevar até você, Ierathel, faça com que eu veja a face de Deus.

Amém!"

Invocação

“Vinde a mim e desperte em minha alma, venerado Ierathel, as mais puras e completas virtudes para que eu possa vir a me desenvolver espiritualmente junto aos meus. Por isso eu o invoco, grandioso Anjo, para assim trilhar melhor os caminhos do Senhor”

 “Eripe me Domine ab homine malo à viro iniquo eripe me
____
Fonte: Com informações dos livros "Anjos Cabalísticos" e "A magia dos anjos cabalísticos" de Monica Buonfiglio e Sala Mestre Morya - Fátima Soares (Internet) - Imagem: Tarô dos Anjos: Carta 27: Ierathel (reprodução)

sábado, 17 de novembro de 2018

Oração às 13 Virtudes para a cura de enfermidades




Fazer o Sinal da Cruz ✝︎ Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, oremos:

"Em nome das 13 Virtudes Espirituais, dirijo‑me às potências celestiais, para que a minha vida seja calma, equilibrada e feliz, a fim de poder cumprir a missão na minha passagem pela Terra, amparando os irmãos ainda mais infelizes, numa verdadeira caridade, virtude que terei por base para solucionar também os problemas que me afligem. 

Assim, invoco as 13 Virtudes Sagradas, que são:

O Deus único, Consciência Cósmica, criador e alimentador do universo infinito; o casal sagrado, José e Maria, que nos deu o mestre Jesus, a Luz do mundo; 

A Soberana Trindade, Pai, Filho e Espírito Santo, em que se manifesta o Deus uno; 

Os quatro Evangelistas Mateus, Marcos, João e Lucas, que nos legaram o Evangelho do Novo Testamento; 

As cinco chagas de Nosso Senhor Jesus Cristo, que lhe causaram o grande sofrimento na cruz; 

As seis pontas do Signo de Salomão, símbolo da Sabedoria, das Ciências Ocultas e dos mistérios cabalísticos; 

Os sete selos de João Evangelista, contidos no Apocalipse do Novo Testamento; 

As oito bem‑aventuranças escritas do Sermão da Montanha, ditas por Nosso Senhor Jesus Cristo; 

Os nove meses que Jesus passou no ventre sagrado de Nossa Senhora; 

Os dez mandamentos ditados a Moisés, para servir de guia aos homens; 

As onze mil virgens celestiais que oram pela humanidade; 

Os doze apóstolos que seguiram Jesus no pregão do Evangelho; 

As treze almas benditas do Purgatório, que ajudam a quem lhes pedir auxilio.

Por estas 13 Virtudes, rogo‑lhes amparo para fortalecerem os meus génios protectores, para me guiarem e me iluminarem na resolução de um problema particular aflitivo, que me atormenta, ou seja (faz‑se o pedido, citando o caso).

Agradecendo a solução feliz que for dada ao meu caso, invoco a protecção das 13 Virtudes Sagradas para não mais ser perseguido pela inveja dos meus inimigos ou falsos amigos, ajudando‑me também na hora do perigo e do sofrimento.

Amém"

Nota: Rezar durante 13 dias, acendendo uma vela branca diariamente. Coloque sempre a vela em um prato limpo, bem fixada para não cair. É sempre bom deixar um copo com água ao lado da vela enquanto ela queima, depois pode descartar essa água no jardim, gramado, em um vaso de plantas ou na pia. Atenção com velas!
____
Fonte: web:http://anjo-dourado.com - Imagem: Holy Spirit Dove/Flickr (CC BY 2.0)

quinta-feira, 15 de novembro de 2018

As Sete Linhas da "Umbanda Mística"



A Umbanda é uma religião brasileira que sintetiza vários elementos das religiões africanas e cristãs, porém sem ser definida por eles. 

Formada no início do século XX no sudeste do Brasil a partir da síntese com movimentos religiosos como o Candomblé, o Catolicismo e o Espiritismo.

Após pouco mais de 100 anos de fundação da Umbanda pelo Caboclo das Sete Encruzilhadas

Essa religião cresceu e se diversificou, dando origem a diferentes vertentes que têm a mesma essência por base: a manifestação dos espíritos para a caridade. O surgimento dessas diferentes vertentes é conseqüência do grau com que as características de outras práticas religiosas e/ou místicas foram absorvidas pela Umbanda em sua expansão pelo Brasil, reforçando o sincretismo que a originou e que ainda hoje é sua principal marca.

A "Umbanda mística" é uma das mais antigas vertentes, fruto da umbandização de antigas casas de Macumbas, porém não existe registro da data e do local inicial em que começou a ser praticada. É a vertente mais aberta a novidades e adota as práticas místicas e religiosas que mais lhe convêm, podendo, inclusive, associar aquelas de duas ou mais religiões. A seguir os principais Orixás e linhas dessa vertente da amada e popular Umbanda, religião nascida em solo brasileiro que com apenas pouco mais de um século de existência, extraoficialmente já tem mais de 20 milhões de seguidores em todo mundo.

A Umbanda possui sete cultos diferentes, chamados “linhas”, que se distinguem:

1. Pelas energias cósmicas que são identificados como orixás ou "santos" que os presidem ou lideram os cultos;

2. Pelos tipos de Espíritos actuantes em suas sessões, chamadas Giras, representados em seus santuários, os Congás.

3. Pelos trabalhos (ou Giras, como chamam os iniciados), de direita e de esquerda. Temos as Sete Linhas da Umbanda "de Direita" e as Sete Linhas da Quimbanda "de esquerda".

Os cultos, "de Direita" ou seja, que trabalham com magia branca, "do bem" recorrem ao auxílio, à manifestação de Espíritos de santos católicos, Pretos-Velhos e Pretas-Velhas.

Os cultos "de Esquerda", utilizados pela Umbanda "oficial" para equilíbrio e proteção de seus trabalhos e, em geral, relegados ao domínio da Quimbanda, praticam a magia branca e também negra (para quebrar quaisquer energias negativas) através dos Exús, Pombas-Giras e Malandros... 

Aqui cabe um relevante observação:  magia é magia, é um instrumento que pode ser usado para prática do bem ou para objetivos escusos, cabe aos Exus exercer papel de guardiões astrais, combatendo tais práticas e garantindo que os que usam a magia para o mal recebam seu carma, seu pagamento na devida moeda.

As Sete Linhas de Umbanda, são elas e suas respectivas Falanges, de maneira geral e amplamente aceita:

I. LINHA DE OXALÁ

Falanges:

1. Santo António;

2. São Cosme e Damião ("espíritos-crianças", não necessariamente infantes mas, antes, Espíritos com mentalidade infantil);

3. Santa Rita:

4. Santa Catarina;

5. Santo Expedito;

6. São Francisco de Assis.

Esta Linha dedica-se a desmanchar trabalhos de magia.

II. LINHA DE IEMANJÁ

Falanges:

1. Ondinas de Nana;

2. Caboclas do Mar;

3. Indaiá dos Rios;

4. Iara dos Marinheiros;

5. Tarimã das Caluga-Caluguinhas da Estrela Guia.

III. LINHA DO ORIENTE

Falanges:

Hindus, árabes, chineses e outros orientais além de europeus. Dedicados à medicina.

IV. LINHA DE OXOSSI

Falanges:

1. Urubatão;

2. Araribóia;

3. Caboclo das Sete Encruzilhadas,

4. Águia Branca. Indígenas, caboclos, são curandeiros que protegem contra magia e ministram passes, prescrevem ervas medicinais em preparados para banhos, defumações ou uso tópico. Estes preparados são chamados amacys.

V. LINHA DE XANGÔ

Falanges:

1. Iansã;

2. Caboclo do Sol;

3. Caboclo da Lua;

4. Caboclo Pedra Branca;

5. Caboclo do Vento;

6. Caboclo Treme Terra.

Pela característica do orixá que dá nome à linha, supõe-se que actue em casos de problemas judiciais, demandas, litígios.


VI. LINHA DE OGUM

 Falanges:

1. Ogum Beira-Mar;

2. Ogum-Iara;

3. Ogum-Megê;

4. Ogum Rompe-Mato.

Estas falanges tratam das brigas, das situações de disputa pessoal, discórdias.

VII. LINHA AFRICANA

Falanges:

1. Povo da Costa;

2. Pai Francisco;

3. Povo do Congo;

4. Povo de Angola;

5. Povo de Luanda;

6. Povo de Cabinda;

7. Povo da Guiné.

Esta falange dedica-se à prática do bem em geral e, ao que tudo indica, dentro da confusa divisão das Linhas e Falanges, esta linha africana possivelmente inclui a chamada Falange ou seria dos Pretos-Velhos  e a das Almas.

Panteão das Falanges e Seus Atributos

Como se pode ver na denominação das Falanges, a Umbanda tem em comum com Candomblé a crença em Orixás.

Porém, rejeitando a africanidade, os umbandistas não consideram Orixás como deuses, mas como "vibrações originais" emanadas da Consciência Suprema, Deus, naqueles tempos remotos da criação do Universo e do Planeta Terra. Na verdade, um conceito muito parecido com o dos Odus que, no Candomblé são as energias de onde provêm os Orixás, estes sim, deuses.

Sobre a palavra Orixá, muitos autores da Umbanda, como Eduardo Parra, negam sua raiz africana e vão buscar a etimologia no Egito e na Índia:

"O termo Orixá e o nome dos respectivos Orixás deriva-se da Índia, do Egipto e de povos mais antigos. Na África esses termos foram conservados em Nagô... O vocábulo antigo Arashá significa O Senhor da Luz, equivale aos Orishis dos Brâmanes e aos Orixás africanos, que em Yorubá significa: O Senhor da Cabeça, ou seja, do princípio espiritual ou Luz. Enquanto que Exu também tem o nome de Obara, o senhor do corpo ou Treva." E aqui subentende-se corpo = matéria = treva.

Na Umbanda, os Orixás (Senhores de Cabeça), que são sete, como as Falanges, são o topo de uma Hierarquia que se desdobra e outros sete "orixás-menores" (Espíritos Superiores) que são chefes de Legiões; Legiões que se dividem em Falanges e sub-falanges, que também possuem chefes e entidades chefes de Grupamentos. Em um plano mais inferior actuam entidades denominadas "capangueiros", palavra que faz pensar algum tipo de polícia astral ou tropa de choque espiritual...

Aos Orixás maiores, as tais "vibrações originais" são atribuídos nomes africanos compostos pela junção de nomes de anjos conhecidos da teologia judaica:

  • Gabarael: Oxalá / Odudwa
  • Samael: Ogum / Obá
  • Ismael: Oxossi / Ossaim
  • Mikael: Xangô / Oyá [Yansan / Mesan / Orun]
  • Yramael: Yorimá / Nanãn Burucum
  • Yoriel: Yori / Oxum
  • Rafael: Yemanjá / Oxumaré

Entre os chefes de Falanges começam a aparecer os caboclos, tidos como orixás menores e representantes dos maiores; caboclos que se multiplicam em uma lista quase infinita.

Os representantes dos Orixás maiores são:

1. Urubatão da Guia - representante de Oxalá

2. Guaraci - intermediário para Ogum

3. Guarani - intermediário para Oxossi

4. Aymoré - intermediário para Xangô

5. Tupi - intermediário para Yorimá

6. Ubiratan - intermediário para Yori

7. Ubirajara - intermediário para Yemanjá

E o "elenco" de caboclos continua entre os guias: Caboclo Águia Branca; caboclo Poty; Caboclo Itinguçu; Caboclo Girassol; Caboclo Nuvem Branca; Caboclo Guarantan etc…

Outros, são caboclos protectores: Guaraná, Malembá, Água Branca, Águas Claras, Jacutinga, Lírio Branco, Folha Branca, Ibitan e outros mais.

Além disso, para cada Orixá Superior e cada Orixá menor existem inúmeras correlações que são utilizadas nas práticas rituais das Giras: minerais, figuras geométricas, signos zodiacais, dias da semana, horas vibratórias, perfumes, flores, ervas que são usadas em banhos, remédios e defumações, cores e arcanjos tutores.

*Para mais detalhes acerca desta hierarquia: “Ponto de Convergência: Fundamentos e Praticas de Umbanda” de Eduardo Parra.

quarta-feira, 14 de novembro de 2018

Como dominar a mente, por Swami Satyananda




Swami Satyananda Saraswati/ILoveindia
Swami Satyananda, um discípulo de Swami Shivananda, é um professor de ioga e guru, ligado à Sociedade da Divina Luz. Começou sua busca espiritual com 19 anos. Em 1955 viajou pela Índia como asceta. Respeitado mestre de ioga e tantra, fundou a Bihar School of Yoga. Encarnou no plano material no dia do Natal, em 1923 na cidade de Almora, Índia e desencarnou na cidade de Jharkhand, no dia 5/12/2009, também na Índia. 

Swami Satyananda e seus discípulos usam práticas de ioga tradicionais:

  • asanas para equilibrar o corpo e a mente através do físico
  • pranayama para trabalhar o corpo energético (correspondente ao Ki ou Chi em outras culturas)
  • meditação para acalmar e focar a mente.

Incentivam também a adoção de um estilo de vida iogue, ainda que a pessoa esteja inserida na vida diária familiar.

Adota as atitudes da Jñana Yoga, Bhakti Yoga e outras iogas, para abranger todos os aspectos da vida do aluno e permitir seu desenvolvimento espiritual. Esta abordagem engloba toda a pessoa, não apenas o corpo. A ênfase está na consciência, o estudante é incentivado a conhecer todos os aspectos de sua personalidade: a mudança é um processo natural decorrente da prática regular com consciência total, e não consequência de se forçar o corpo e a mente até, ou além, de seus limites.

Como dominar a mente
(Satyananda)

"Não lute com sua mente. No fim das contas, você será o perdedor. Você nunca irá ganhar ou sair vitorioso. O único caminho para negociar com a mente é dar a ela algo de que ela goste, ocupa-la com um trabalho saudável.

Uma coisa que a mente gosta é de servir a humanidade, ajudar os pobres, alimentar os famintos, cuidar dos doentes, tomar conta dos órfãos, ir de porta em porta e descobrir o problema dos outros e fazer o possível para ajuda-los.

Você verá a transformação da mente. O carbono se torna diamante. Este é o único caminho.

Você pode praticar Raja Yoga, Jnana Yoga e Bhakti Yoga o quanto quiser, mas eles somente pacificarão a mente por um tempo. Se você não pode pensar e desejar apaixonadamente ajudar os outros, também não poderá negociar com a mente. A mente só pode negociar diante de uma proposta sátvica de dedicação e auto-sacrifício.

Não tente controlar a mente como um todo. No fim das contas, você irá falhar. Dedique sua mente a uma causa nobre. Não lute contra a mente. Você ficará doente, terá problemas psicológicos. O único caminho para conquistar a mente é ocupa-la numa causa nobre, dedica-la a um serviço, a um ideal que a faça feliz.

A mente gosta de servir as pessoas necessitadas. Vá a uma instituição prestar algum serviço. Visite um hospital, sirva e cuide de pessoas doentes. Você gostará disso. Você sentirá o coração iluminado depois que estiver fazendo isso.

Até você compartilhar a tristeza e o sofrimento dos outros, considerar a miséria deles como sua própria, nunca irá adquirir controle sobre a mente. Por isto, não é fácil conquistar a mente.

Muitas pessoas que tentam controlar a mente se tornam esquizofrênicas, elas têm a personalidade dividida e separam sua mente em duas partes. Do lado de dentro está sujo e do lado de fora está aparentemente limpo.

Por causa dessa divisão na personalidade as pessoas se tornam doentes, elas têm dor de estômago, constipação, dor na região umbilical e lombar. Por que essas regiões doem? Porque as pessoas estão reprimindo e em conflito com sua mente e emoções.

A mente é uma grande força neste mundo e você nunca deveria tentar suprimi-la. Não lute com a mente-emoção. Não a torture, puna ou critique. Eu discuto esse assunto com meus sannyasins (monges). Eu os mando fazer muito Karma Yoga, servir desinteressadamente aos outros. Digo para eles irem até as vilas, servir aos pobres, visitar de porta em porta e participar do sofrimento das pessoas, das misérias e dificuldades. O resto seguirá automaticamente.

Se uma criança nasce numa família pobre, ao menos vá e lhe dê um berço. Dê roupas quentes para o bebê, alimentos nutritivos para a mãe e algum dinheiro. Esse é um sádhana (prática espiritual) prático que estou dando a vocês."
____
Fonte: com informações da Wikipédia (Swami Satyananda) e do blog "yoga-ensinamentos" - Imagem: Swami Satyananda Saraswati/ILoveindia (reprodução) 

domingo, 11 de novembro de 2018

São Menas ✝︎ 11 de Novembro




✝︎ São Menas, Rogai Por Nós ✝︎
Jesus prometeu para todos nós: 

"Na verdade, na verdade vos digo que aquele que crê em mim também fará as obras que eu faço, e as fará maiores do que estas, porque eu vou para meu Pai." 
(João 14:12)

São Menas (285/c.309) - também chamado de São Minas, Mina, Mena ou Mennas -, taumaturgo e mártir, foi um dos mais famosos santos egípcios, tanto no oriente quanto no ocidente, principalmente por conta dos milagres que são atribuídos à sua intercessão e às suas preces. 

Embora São Menas seja reconhecido como um santo menor na Igreja Ortodoxa e nas igrejas ocidentais, é considerado provável por muitos historiadores que ele seja celebrado nestas igrejas sob o nome de São Cristóvão - "Portador de Cristo" -, uma vez que uma das lendas associadas à Menas mostra-o, como Cristóvão, carregando o menino Jesus.

Vida e Martírio

Após passar cinco anos como eremita, Menas recebeu uma visão que lhe mostrou anjos coroando os mártires com coroas de glória e desejou se juntar a eles. Pensando sobre o tema, ele ouviu uma voz que lhe disse: "Abençoado seja, Menas, pois fostes chamado para a vida piedosa desde a infância. Tu receberás as três coroas imortais; uma por teu celibato, outra por teu ascetismo e uma terceira por seu martírio." 

Menas em seguida correu até o governador e declarou a sua fé no cristianismo. Ele sofreu inúmeras torturas e sofrimentos, mas suportou-as com abnegação, o que terminou por atrair muitos pagãos não somente à fé cristã, mas também para o martírio.

Os soldados que executaram Menas atearam fogo ao seu corpo por três dias, mas não conseguiram macular o corpo. A irmã de Menas então subornou os soldados e conseguiu levá-lo embora. Ela embarcou num navio em direção a Alexandria, onde depositou o corpo numa igreja.

Santo

Quando a perseguição aos cristãos terminou, durante o papado de Atanásio de Alexandria, um anjo apareceu ao papa e ordenou-lhe que carregasse o corpo de Menas num Camelo e fosse até o Deserto Ocidental. Em um certo ponto do caminho, junto a um poço no fim do Lago Mariout, perto de Alexandria, o camelo parou e ninguém foi capaz de movê-lo. Isto foi tomado como um sinal de Deus e o corpo de Menas foi enterrado ali.

Tão logo o papa Cirilo VI de Alexandria se tornou papa e patriarca no Trono de São Marcos em 1959, ele iniciou as obras de um grande mosteiro nas redondezas da antiga cidade. Hoje, o Mosteiro de São Menas é um dos mais famosos mosteiros do Egito. As relíquias de São Menas, assim como as do papa, estão ali. A Catedral de São Menas foi destruída durante as invasões árabes do século VIII.

Menas é por vezes chamado de "Menas, o Soldado" e é venerado como um santo militar. Ele também é padroeiro das pessoas acusadas falsamente e dos caixeiros-viajantes

Oração

"Ó Deus Pai Todo Poderoso, curador de todas as alma e de todos os corpos, que põe para baixo e levanta, que castiga e cura, pela intercessão de seu servo, nosso amado São Menas, vos pedimos que em sua eterna misericórdia visite agora nosso irmão (ou irmã) que está doente.

Estende a ele/ela, seu braço que está cheio de cura e saúde, para levantá-lo(a) desta cama em que se encontra e cura esta doença. Afasta o espírito da doença e de toda enfermidade, dor e febre desta pessoa.

E, se ele (ou ela) houver cometido pecados ou transgredido a Lei Divina, conceda-lhe a remissão e o perdão, pelo Seu amor pela humanidade.

Amém!"
____
Fonte: Com informações da Wikipédia; "São Menas" e oração do folclore da Igreja Ortodoxa Copta - Imagem: São Menas/Igreja Ortodoxa/Reprodução

sexta-feira, 9 de novembro de 2018

Prece e Orações a Ibeji




Figuras Yorubá de Ibeji, representando gêmeos/W*
Ibeji é o Orixá-criança, em realidade, duas divindades gêmeas infantis, ligadas a todos os Orixás e seres humanos. Na África, as crianças representam a certeza da continuidade, por isso os pais consideram seus filhos sua maior riqueza. 

A palavra "Ibeji" é uma junção dos termos iorubás ibi, nascimento, e eji, dois e quer dizer "gêmeos". Forma-se a partir de duas entidades distintas que coexistem, respeitando o princípio básico da dualidade.

Por serem gêmeos, são associados ao princípio da dualidade; por serem crianças, são ligados a tudo que se inicia e nasce: a nascente de um rio, o nascimento dos seres humanos, o germinar das plantas, etc. Ibeji na nação Ketu, ou Vunji nas nações Angola e Congo. 

É o Orixá Erê, ou seja, o Orixá criança. É a divindade da brincadeira, da alegria; a sua regência está ligada à infância.

Existe uma confusão latente entre Ibeji e os Erês. É evidente que há uma relação, mas não se trata da mesma entidade, confundindo até mesmo como Orixá. Ibeji são divindades gêmeas, sendo costumeiramente sincretizadas aos santos gêmeos católicos Cosme e Damião.

A palavra Erê vem do iorubá iré, que significa "brincadeira, divertimento". Daí a expressão siré, que significa "fazer brincadeiras". O Erê (não confundir com "criança", que, em iorubá, é omodé) aparece instantaneamente logo após o transe do Orixá: ou seja, o Erê é o intermediário entre o iniciado e o Orixá. Durante o ritual de iniciação, o Erê é de suma importância, pois é ele que, muitas vezes, trará as várias mensagens do Orixá ao recém-iniciado.

A grande cerimônia dedicada a Ibeji acontece a 27 de setembro, Dia de Cosme e Damião, quando comidas como caruru, vatapá, bolinhos, doces, balas (associadas às crianças, portanto) são oferecidas tanto a eles como aos frequentadores dos terreiros.

Símbolos: 2 bonecos gêmeos, 2 cabacinhas, brinquedos;

Plantas: jasmim, maçã, alecrim, rosa;

Dia da semana: domingo e segunda-feira para nações Queto e Jeju Jexá;

Cor: azul, rosa, verde, mas na verdade gosta do colorido em si;

Metal: estanho;

Elementos: fogo, ar;

Saudação: Omi Beijada! Bejiróó! Farami Sóibeji!

Domínios: parto e infância / amor e união;

Comidas: caruru, cocada, cuscuz, frutas e doces;

Características: alegre, otimista, brincalhão, esperto, trabalhador, imaturo, birrento, voraz;

Campos de ação: ajuda a resolver problemas de crianças, dá harmonia na família, facilita uniões. 
Riscos de saúde: alergias, anginas, problemas de nariz, raquitismo, acidentes.


Prece

"Salve Ibeji, Orixá da continuidade da vida. Governadores da Falange Ibeijada.

Orixá criança, que alegra nossos corações e marca o inicio nossa vida.

Nos leve pelos caminhos da saúde, do amor e da prosperidade assegurando-nos a união e a fraternidade.

Farta seja nossa mesa e prospero seja nosso lar.

Omi Beijada!"

Oração

"Omi Ibeji. Bejé eró! 
Salve as forças das crianças. 
Força pura, verdadeira, 
Que reluz no céu azul 
E na rosa das flores, 
Traga ao nosso Axê a paz 
E a esperança, 
Zele por nossas crianças.

Peça a Oxalá, com sua 
imensa pureza, 
que meus pedidos feitos 
com clareza 
e verdade sejam atendidos. 

Doces crianças, 
representantes de Cosme e Damião, 
Que vossa santa proteção 
Nos sirva de consolo e apoio nas horas difíceis.

Aceitem essa oferenda que é feita 
Com verdade 
E interceda por mim junto ao Pai 
De Amor Supremo. 

Agradeço desde já a vocês, 
Crianças. 

Obrigado!"

Oração para pedir o Axé da Ibejada

"Cosme e Damião, luzeiros espíritos da corte de Oxalá, amados benfeitores, queridos guias, nós vos imploramos a vossa proteção, força, saúde e resignação para que possamos cumprir com os desígnios de Pai.

Dai-nos sempre os fluídos de paz, amor alegria e felicidade que vos são peculiares. Curai nossos males, fortalecendo-se nosso corpo material proporcionando aos nossos espíritos as satisfações que lhes sejam agradáveis.

Protegei-nos e a nossos familiares; protegei também, a todos as criancinhas para que tenham cada dia, uma vida melhor, sob o prisma material. Que vosso fluídos sacrossantos, recaiam sobre nossas cabeças, é o pedido que humildemente vos fazemos.

Saravá Cosme e Damião!

Saravá Ibejada!"
____
Imagem: Yoruba Ibeji figures, representing twins/"Yoruba Ibeji figures, representing a male and female twins. The figures, when made, are soaked in an infusion of medical plants, and adorned with amulets to ensure the twins' good fortune."/Wellcome Images (CC0)

quarta-feira, 7 de novembro de 2018

Exu e o Médium




Exu/Vinicius Vilela/PEXELS
Muitas vezes, ele funciona como um espelho, refletindo em seu comportamento os defeitos e qualidades de seu médium. Não estamos falando aqui de mistificação nem animismo e sim de um comportamento em que pela convivência um exterioriza qualidades e defeitos do outro. Apesar de Exu ter opinião própria a manifesta em linguagem simples e direta de forma que todos entendam. 

É ele a entidade mais próxima a nossa realidade e anseios materiais. Quando o médium começa a se desenvolver costuma ouvir que há a necessidade de doutrinar seu Exu. É natural que o médium não tenha doutrina no inicio de sua jornada espiritual e Exu exterioriza isso em seu comportamento, após boa doutrinação da entidade veremos a necessidade de doutrina também para o médium que acaba de chegar na casa. Durante o desenvolvimento mediúnico é ainda natural que o Exu se apresente pedindo sua oferenda, pois sua força é potencializadora e vitalizadora da mediunidade.

Este mesmo médium que está iniciando na Umbanda encontra todo um universo novo aos seus olhos e Exu costuma ser algo intrigante e fascinante ao mesmo tempo; quando não uma entidade, força, que assusta um pouco os que não o conhecem.

A questão é: Enquanto o médium estiver preocupado com a doutrina de “seu” Exu estará também doutrinando-se, subconscientemente!

Devemos, sim, estar atentos quando nos deparamos com entidades de esquerda sem doutrina, muitas vezes estão chamando nossa atenção a seu médium para que tomemos uma atitude doutrinária em relação a ambos.

Tudo isso é bem diferente de um obsessor ou quiumba, trazido por transporte, que normalmente tem comportamento rude e agressivo. Falamos aqui do Exu de lei que acompanha o médium como entidade de trabalho na esquerda. Não devemos subestimar exu, achando que é entidade sem luz desprovida de evolução, observando apenas um aspecto externo e superficial, pois quando vamos com a farinha ele já voltou com a farofa, devemos sim ficar atentos com o que nos dizem nas entrelinhas ou o que querem nos passar, quando não podem ou não se sentem a vontade para revelar.

Quanto ao que pode revelar, pergunte a ele sobre seu médium e o comportamento do mesmo e verá que Exu é o primeiro a apontar os defeitos de seu “cavalo” e isto está ainda dentro da qualidade especular de Exu.

No desenvolvimento mediúnico é ele um elemento de muita importância, pois dá força e potencializa as faculdades mediúnicas, não é difícil encontrarmos Exu pedindo para ser oferendado logo no inicio da vida mediúnica.

Em uma casa de luz, em um terreiro de umbanda de fato, Exu não aceitará trabalhos de ordem negativa a favor de futilidades ou egoísmos. Veremos Exu trabalhando com seriedade e em sintonia com as entidades da direita, ou seja não virá em terra para contrariar todo um trabalho de doutrina realizado por caboclos e pretos velhos. Encontraremos até Exus dando consultas, limpando e descarregando consulentes, fazendo desobsessão e outras coisas mais dentro do mesmo objetivo e até dando bons conselhos aos que a ele procuram.

Por tudo isso somos gratos a Exu e Pomba-gira por trabalharem conosco a favor da luz, e afirmamos muito do que se fala de Exu e Pomba-gira ligado a magia negativa, nós desconhecemos, sabemos que muitos tentam se passar por Exu, mas aí já não é mais Umbanda. Umbanda acima de tudo é Amor e Caridade, exu não deve vir em terra para dar o contra no trabalho de direita.
____
Fonte: Texto extraído do JUS – JORNAL DE UMBANDA SAGRADA - reprodução (2008) - Imagem: PEXELS (CC0)

sábado, 3 de novembro de 2018

O Buda interior, por G. de Purucker




Imagem: Buda/Elliott Brown/Flickr (CC BY 2.0)
"Um Buda é aquele que escalou os graus da evolução humana, um por um, e assim atingiu o estado búdico, que significa glória intelectual e espiritual. 

Ele é um "Desperto," que manifesta a divindade que está no coração de seu próprio ser.

Os Budas são as flores mais nobres da raça humana. São seres que se elevaram acima da humanidade, atingindo a divindade, e isto foi feito libertando a luz que estava aprisionada no interior, a luz da divindade interior, brilhando na alma humana.

Cada ser humano é um Buda que ainda não se expressou. Agora neste momento, dentro e acima de você, está seu Eu Superior, e à medida que os milênios passam e você conquista o eu inferior a fim de se tornar o Eu Maior, você se aproxima mais e mais do Buda adormecido dentro de você.

Mas na verdade não é o Buda interior que está adormecido, é você que está dormindo na matéria, tendo sonhos maus trazidos por suas paixões, suas visões falsas, seu egoísmo, produzindo pesados véus de personalidade ao redor do Buda interior.

Aqui está o segredo: o Buda dentro de você o está observando. Seu Buda interior tem um olho sobre você, misticamente falando. A mão d’Ele está estendida com compaixão em direção a você, digamos assim, mas você deve estender a sua para tocá-lo através de sua própria vontade e aspiração.

Considere o que é um ser humano: alguém que tem um deus em seu coração, com um Buda que envolve  esse deus, uma alma espiritual que envolve esse Buda, uma alma humana que envolve essa alma espiritual, uma alma animal que envolve essa alma humana e um corpo que envolve a alma animal.

Quando o ser humano aprendeu tudo que a Terra pode ensiná-lo, ele se torna divino e não mais retorna à terra pela reencarnação – exceto aqueles cujos corações estão tão cheios da sagrada chama da Compaixão, que permanecem próximos desse planeta a fim de ajudar seus irmãos mais jovens e menos evoluídos.

Essas exceções são os Budas de Compaixão.

Existem, por outro lado, seres muito grandes, santos e puros, cujo conhecimento é vasto e profundo, mas que quando atingem o estado de Buda, em vez de sentir o chamado do Amor para voltar e ajudar, passam adiante e entram na Luz Divina, no estado de indizível bem-aventurança que é o Nirvana, e deixam a humanidade para trás.


Esses são os Budas Pratyekas. Embora exaltados, não se encontram no mesmo nível da sublimidade dos Budas de Compaixão.

O Buda sabe que não pode avançar para a glória espiritual a menos que viva a vida espiritual, a menos que cultive sua natureza espiritual, mas quando o faz apenas para receber recompensas espirituais, vida espiritual só para si, ele é um Buda Pratyeka.

Por outro lado, aquele que pertence à ordem dos Budas de Compaixão, embora tenha em vista os mesmos objetivos, treina seu espírito para se tornar completamente indiferente a suas próprias vantagens. Este último tem a fazer um trabalho enorme, e logicamente a recompensa também corresponde.

O Buda de Compaixão, com a expansão de seu ser, torna-se um com o Universo espiritual, enquanto que o Buda Pratyeka torna-se um com uma linha particular de evolução no Universo.

O Buda de Compaixão, tendo ganhado tudo, ganhado o direito à paz e felicidade cósmicas, renuncia a isso para poder voltar e ajudar a humanidade. O Buda Pratyeka passa adiante e entra na bem-aventurança indizível do Nirvana, e ali permanece por milhões de eras; e quando o Buda Pratyeka emergir do Nirvana para retomar sua evolução em direção à expansão de seu ser, ele se encontrará na retaguarda do Buda de Compaixão, que estará mais avançado no caminho do Infinito.

O ser humano, em sua longa evolução, pode tomar, desses dois caminhos, aquele que preferir."

Nota: a palavra Buda interior pode ser substituída por Deus interior, Cristo interior, Luz interior, Orixá interior, Krishna interior...
____
Sobre o autor: Gottfried de Purucker - ou simplesmente, como é mais conhecido, G. de Purucker - foi um teosofista, autor e líder da Sociedade Teosófica de Pasadena de 1929 a 1942. O pai de Purucker, era um ministro anglicano e preparou seu filho para o futuro com a igreja por meio de treinamento extensivo em idiomas e estudos religiosos. Seu legado inclui várias publicações, incluindo elucidações dos escritos de Helena Blavatsky. Vários trabalhos adicionais também foram publicados postumamente.

quinta-feira, 1 de novembro de 2018

Santos do Mês de Novembro




1. Dia de Todos os Santos

Neste dia é celebrada a Igreja Triunfante, constituída por todos os bem-aventurados que salvaram sua alma e estão no Paraíso, na posse da visão beatífica de Deus. 

Os inumeráveis heróis anônimos, na sua imensa maioria esquecidos pelos demais homens e pela História, que ao longo dos tempos foram passando desta vida para a Eternidade em estado de graça, e pelos méritos da Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo foram sendo admitidos no Paraíso. 

Todos esses, embora esquecidos na Terra, são santos e são honrados pela Igreja neste dia.

2. Dia dos Mortos † Fiéis Defuntos †

Depois de ter celebrado, no dia 1° deste mês, seus filhos admitidos à Glória eterna, a Igreja, mãe compassiva e misericordiosa, recorda hoje aqueles que já salvaram suas almas mas ainda não puderam entrar no Paraíso, por estarem se purificando no Purgatório. Ela incentiva os fiéis a rezarem por essas almas padecentes e abre com liberalidade, em benefício delas, os tesouros de suas indulgências. Este dia também é conhecido por Dia de Finados.

☞ Veja também: Finados :: 2 de Novembro :: Dia de Orações Pelos que Partiram e Oração por todos os defuntos

3. São Martinho de Lima (+ Lima, 1639)

São Martinho de Lima (ou de Porres), era filho natural de um nobre espanhol e de uma panamenha de origem africana, ingressou aos 15 anos como oblato de um convento dominicano de Lima, no qual mais tarde professou como irmão leigo. Exerceu habitualmente os mais humildes serviços com despretensão e amor de Deus. 

Encarregado da enfermaria, possuía um verdadeiro dom para tratar os doentes, curando-os não apenas fisicamente mas também às suas almas fazendo bem. Tinha grande espírito de oração e penitência, praticava jejuns severos e se flagelava diariamente. Recebeu graças místicas extraordinárias, e eram tão freqüentes os milagres que fazia que certa ocasião seu superior até o proibiu de os fazer, por achar que eles estavam atrapalhando a calma do convento. O Santo humildemente obedeceu. 

Algum tempo depois, ele caminhava pelas ruas de Lima quando viu um pedreiro cair de um andaime alto. Lembrando-se de que não podia fazer milagres, gritou ao pobre homem: "Espere aí que já volto!" E foi correndo ao superior, pedir licença para fazer o milagre de salvar o homem. O superior, atônito, consentiu, e São Martinho retornou ao local do acidente, e fez com que o homem pousasse suavemente no chão. Durante todo esse tempo ele ficara milagrosamente suspenso no ar, sem cair...

4. São Carlos Borromeu (+ Milão, 1584)

De uma nobre família italiana, foi feito cardeal e arcebispo de Milão por seu tio, o Papa Pio IV. Sentindo-se atraído pela vida contemplativa, pensou em renunciar à arquidiocese. Mas seu amigo o Venerável D. Frei Bartolomeu dos Mártires, arcebispo de Braga, o dissuadiu dessa idéia, convencendo-o de que, naquele século em que o alto Clero tantas vezes dava mau exemplo, seria melhor que ele, altamente colocado na escala social e ademais sobrinho de um Papa, desse o bom exemplo de vida santa como arcebispo. Foi o que fez São Carlos Borromeu, modelo perfeito de pastor de almas zeloso, que aplicou em Milão as reformas ordenadas pelo Concílio de Trento. Faleceu com 46 anos.

5. São Zacarias e Santa Isabel (+ Palestina, séc. I)

Pais de São João Batista, o Precursor do Messias. A Sagrada Escritura lhes faz em breves e concisas palavras um dos mais altos elogios que podem ser feitos de alguém: "ambos eram justos diante de Deus, e de modo irrepreensível seguiam todos os mandamentos e preceitos do Senhor" (São Lucas 1,6).

6. Beato Nuno Álvares Pereira (+ Lisboa, 1431)

Condestável do Reino de Portugal, venceu brilhantemente os castelhanos nas batalhas de Atoleiros, Aljubarrota e Valverde, assegurando assim à nação lusa a independência e a fidelidade ao verdadeiro Papa. Rico e poderoso, tinha o senhorio de aproximadamente um terço do território português, mas a tudo renunciou por amor de Deus, ingressando como irmão leigo no Mosteiro do Carmo de Lisboa, que ele mesmo edificara, e adotando o nome religioso de Frei Nuno de Santa Maria. 

Sua espada sempre invicta, que tinha gravada na lâmina o santo nome de Maria, foi depositada no altar, nas mãos do Profeta Elias, fundador da Ordem carmelita. Uma filha do Santo Condestável casou com D. Afonso, filho do rei D. João I de Portugal. Desse casal procede a Sereníssima Casa de Bragança, que reinou em Portugal até 1889 e no Brasil até 1889.

7. Beato Francisco Palau (+ Tarragona, Espanha, 1872)

A personalidade extraordinária do carmelita Francisco Palau, com seu zelo ardente e combativo pela causa de Deus e da Igreja, faz lembrar a do profeta Elias, patriarca da família carmelitana. Nascido em Aytona, na Catalunha, Francisco Palau professou solenemente, aos 21 anos de idade, no convento carmelita de Barcelona. 

Ordenado sacerdote, apoiou com suas pregações os carlistas, então em guerra civil contra os monárquicos liberais. Possuía um particular discernimento do papel desempenhado pelo demônio no mundo, e empenhou-se para que a Igreja ampliasse o uso do exorcismo como arma espiritual adequada às necessidades dos fiéis. Em conseqüência de suas opiniões religiosas e políticas, foi perseguido e exilado. Fundou duas congregações religiosas femininas - a das Carmelitas Missionárias e a das Carmelitas Missionárias Teresianas - e duas masculinas, que vieram a se extinguir: a dos Irmãos Carmelitas do Ensino e a dos Irmãos Carmelitas Terciários. 

Em 1868, em meio a uma tempestade anticristã e anticlerical, deu início à publicação de "El Ermitaño", semanário religioso, político e literário. Nesse órgão divulgava, acerca do futuro da Igreja e das várias nações européias, análises e previsões de impressionante agudez de espírito. Foi beatificado em 1988.

8. Cinco Santos Escultores (+ Panônia, 306)

Na Panônia, atual Hungria, cinco escultores cristãos foram decapitados porque se recusaram a esculpir estátuas de ídolos. Seus corpos foram lançados ao rio Danúbio.

9. São Teodoro (+ Ásia Menor, séc. III)

Era militar e foi decapitado por ter confessado corajosamente a fé cristã. Seu túmulo, em Achaita, atual Turquia, foi grande foco de peregrinações. Juntamente com São Jorge e São Demétrio constitui uma tríade de Santos militares orientais.

10. São Leão Magno  (+ Roma, 461)

Foi Papa durante 21 anos, num período agitado e difícil. Combateu as heresias do eutiquianismo e do donatismo e enfrentou sozinho Átila, rei dos Hunos, que não invadiu a Cidade Eterna porque ficou impressionado pela extraordinária força moral do Pontífice. Durante o IV Concílio de Calcedônia, de que participavam 500 bispos, encerrou as discussões definindo, por escrito, a verdadeira doutrina católica sobre a dualidade de naturezas na unidade de Pessoa de Nosso Senhor Jesus Cristo. Esclarecidos pelo Papa infalível, os bispos reunidos no Concílio aclamaram essa decisão: "Essa a fé dos Apóstolos! Foi Pedro que falou pela boca de Leão!"


11. São Martinho de Tours (+ Candes, França, 397)

Era filho de um oficial romano que servia na Panônia, atual Hungria. Foi ele próprio militar. Dois anos depois de se ter convertido à fé católica e batizado na Gália, deixou o exército e passou a levar vida solitária, sob a orientação espiritual de Santo Hilário de Poitiers. Eleito mais tarde bispo de Tours, exerceu de modo admirável suas funções de pastor. 

É considerado o iniciador da vida monástica na Gália. Fundou, perto de Tours, o Mosteiro de Marmoutier, que se tornaria centro de grande expansão missionária e civilizadora. De Marmoutier saiu São Patrício, que evangelizou a Irlanda. A devoção a São Martinho é tão intensa na França que nada menos que 3600 igrejas e 480 povoados daquele país o tomaram como patrono.

Clique aqui e saiba mais sobre o glorioso São Martinho de Tours 

12. São Josafá Kuncewycz (+ Vitebsk, Rússia, 1623)

Em 1595, um numeroso grupo de orientais membros da religião cismática russa se converteu à Igreja Católica Apostólica Romana. Esses católicos, que aderiram ao Papado e à verdadeira Igreja, conservaram a liturgia oriental de São João Crisóstomo e foram chamados Uniatas. São Josafá foi um deles. Monge basiliano e depois arcebispo de Polotsk, era entusiasta do Papado e da aproximação com Roma, incorrendo por isso no desagrado de cismáticos que o consideravam renegado e mau patriota. "Vereis que ainda me vão matar", previu muitas vezes. E assim de fato aconteceu em 1623, quando foi cruelmente ferido e lançado a um rio. Contava então 43 anos de idade.

13. Santo Estanislau Kostka (+ Roma, 1567)

Pertencia a uma das mais nobres e ricas famílias da Polônia e estudava em Viena, em companhia de um irmão mais velho. Convidado a ingressar na Companhia de Jesus pela própria Santíssima Virgem, encontrou grandes dificuldades para atender ao chamado. Seu pai, embora católico, opôs-se inabalavelmente à vocação religiosa de Estanislau. 

Em Viena, o provincial da Companhia se dispôs a admiti-lo... desde que ele fosse autorizado pelo pai, pois era menor de idade. Conhecendo a obstinação paterna, Estanislau compreendeu que nunca obteria sua autorização. Aconselhou-se então com o Pe. Francisco Antônio, jesuíta português que era confessor da imperatriz, e fez um voto heróico: o de peregrinar pela Terra inteira, se necessário fosse, até encontrar uma casa da Companhia de Jesus que o quisesse aceitar sem a licença do pai. 

Fugiu ocultamente de Viena e caminhou a pé 700 km, despistando o irmão que o perseguia, à procura de São Pedro Canísio, superior dos jesuítas da Alemanha. Este o acolheu com bondade e o encaminhou a Roma, com uma carta de recomendação a São Francisco de Borja. Mais 800 km Estanislau caminhou a pé, até a Cidade Eterna. Lá, teve a alegria de ser aceito como noviço da Companhia, mas permaneceu nessa condição somente 9 meses, pois morreu, como desejava, na festa da Assunção de Nossa Senhora do ano de 1567. Não chegou a completar 17 anos de idade.

14. São Serapião (+ Alexandria, séc. III)

Foi martirizado no Egito, durante a perseguição do imperador Décio. O historiador Eusébio de Cesaréia registra seu martírio, com as seguintes palavras: "Preso Serapião em sua casa, foram-lhe infligidas cruéis torturas. Desfizeram-lhe todas as juntas dos membros e o precipitaram do andar de cima da casa, de cabeça para baixo".

15. Santo Alberto Magno (+Colônia, Alemanha, 1280)

Foi sem dúvida um dos maiores sábios de todos os tempos. Não apenas dominava como Mestre a Filosofia e a Teologia (matérias em que teve como discípulo a São Tomás de Aquino) mas estendia seu saber às ciências naturais. Foi físico e químico, estudou astronomia, meteorologia, mineralogia, zoologia, botânica, escreveu livros sobre tecelagem, navegação, agricultura. Tão assombroso acúmulo de ciência não o impediu de ser um dominicano, piedoso e observante. Nomeado bispo de Regensburg, mostrou-se pastor zeloso e exemplar, mas logo que pôde pediu e obteve dispensa das funções episcopais e retornou a sua cela de monge humilde e sábio. Foi chamado "o Doutor Universal".

16. Santa Gertrudes, a Grande (+ Helfta, Alemanha, 1302)

Entrou com 5 anos de idade no Mosteiro de Helfta, na Saxônia, lá recebendo, sob a orientação de Santa Mectildes, ótima formação cultural e religiosa. Foi uma das maiores místicas da Idade Média. Teve, aos 25 anos de idade, a primeira das visões que, conforme o seu próprio depoimento, transformaram sua vida. Propagou a celebração litúrgica do Sagrado Coração de Jesus.

17. Santa Isabel da Hungria (+Turíngia, Alemanha, 1231)

Era filha de André II, rei da Hungria, e foi casada com o piedoso duque Luís IV, soberano da Turíngia. Tinha 20 anos e era mãe de três filhos pequenos quando ficou viúva; o marido, que havia partido em Cruzada, morreu quando estava a caminho da Terra Santa. Hostilizada cruelmente pela família do marido, foi abandonada com os filhos na mais negra miséria. 

Sofreu com admirável paciência toda espécie de humilhações, pois até mendigos que ela outrora socorrera tinham agora a baixeza e a ingratidão de a insultarem, porque sabiam que não se encontrava nas boas graças da Corte. Ofereceu-se para ajudar num hospital de leprosos e ali praticou atos de caridade heróica. 

Quando os cruzados que haviam acompanhado seu marido retornaram à Alemanha, ficaram indignados com o tratamento inqualificável de que estava sendo objeto aquela que, até pouco antes, fora soberana do país, e conseguiram reconduzi-la à Corte, onde faleceu pouco depois, aos 24 anos.

18. São Romão - ou Romano (+ Antioquia, 303)

Era diácono e sofreu o martírio por ter incentivado os cristãos perseguidos a permanecerem firmes e constantes em sua fé. Foi aprisionado e morreu estrangulado.

19. Santos Roque González Afonso Rodríguez e João del Castillo (+ Rio Grande do Sul, 1628)

Estes três sacerdotes jesuítas de origem espanhola foram martirizados por índios selvagens, atiçados pelos seus pajés, em território que então pertencia à Coroa espanhola e hoje integram o Estado do Rio Grande do Sul. Os dois primeiros foram chacinados na redução de Caaró e o terceiro o foi poucos dias depois, em localidade não muito distante. 

Segundo depuseram 53 testemunhas, do coração do Padre Roque González, arrancado de seu peito pelos índios enfurecidos, saía uma voz que dizia: "Matastes a quem tanto vos amava e queria. Matastes, porém, só o meu corpo, porque minha alma está no Céu!" Os índios, ouvindo aquela voz, irritados atravessaram o coração com uma flecha e o lançaram ao fogo, mas as chamas milagrosamente o preservaram. Esse coração, ainda hoje intacto, é venerado como relíquia preciosa em Assunção.


20. São Félix de Valois (+ Cerfroid, França, 1212)

Era príncipe da Casa real francesa. Vivia como ermitão numa floresta quando São João da Mata o convidou para, juntos, fundarem uma ordem religiosa que se destinasse a libertar cristãos prisioneiros dos maometanos. Foi assim que nasceu a Ordem da Santíssima Trindade para a Libertação dos Cativos.

21. São Gelásio (+ Roma, 496)

Segundo o testemunho de Dionísio, o Menor, reportado pelo Martirológio Romano-Monástico, "procurou mais servir do que exercer a sua autoridade, associou a castidade aos méritos da doutrina, e morreu pobre, após ter enriquecido os indigentes".

22. Santa Cecília (+ Roma, séc. III)

Era nobre e cristã, e tinha feito voto de virgindade, quando seu pai a casou com Valeriano. De acordo com os costumes do tempo, não era necessário o consentimento da noiva para o casamento, e o pai de Cecília a casou sem tê-la antes consultado. Ela declarou ao marido sua condição de cristã e de virgem consagrada a Deus, e conseguiu convertê-lo, assim como ao cunhado, de nome Tibúrcio, sofrendo os três glorioso martírio por amor a Nosso Senhor Jesus Cristo. 

Santa Cecília, cujo corpo foi reencontrado no século IX, é invocada como padroeira da música e do canto, porque de acordo com antiga tradição ela cantou, para Valeriano, a beleza da castidade, e o fez de modo tão eficaz que ele se determinou a respeitar na esposa o voto que ela fizera. 

Santa Cecília foi das santas mais veneradas desde tempos imemoriais, e teve seu nome incluído no Cânon da Missa. Ela tem a glória de se ter assemelhado a Maria Santíssima num ponto: ambas foram casadas e permaneceram virgens.

23. São Clemente I (+ Roma, 97)

Foi o terceiro sucessor de São Pedro. Escreveu uma famosa carta aos católicos de Corinto, restabelecendo com sua autoridade a paz ameaçada internamente naquela diocese. Trata-se de um documento de grande importância apologética, porque demonstra que, já naqueles tempos, se entendia que o Papa possuía uma verdadeira e efetiva autoridade sobre os demais bispos e as suas dioceses, e não apenas uma posição honorífica de precedência. Segundo a tradição, São Clemente sofreu o martírio na Criméia, para onde fora exilado e condenado a trabalhos forçados pelo imperador Domiciano.

24. Santo André Dung-Lac e Companheiros (+ Vietnã, séc. XVI)

De acordo com o Martirológio Romano-Monástico, André Dung-Lac e Companheiros, eram cristãos convertidos no século XVI pelos missionários dominicanos que começaram a difundir o Evangelho no Vietnã, e foram martirizados porque acusados de estarem introduzindo no país uma religião estranha. O Papa João Paulo II os canonizou em 1988.

25. Santa Catarina de Alexandria (+ Egito, 305)

É sem dúvida uma das santas mais populares da História da Igreja, universalmente venerada. De acordo com um relato muito antigo de sua vida, era uma jovem de grande beleza e tinha recebido de Deus o dom da sabedoria. 

Conduzida diante do imperador por ser cristã, censurou-o corajosamente por perseguir a Religião verdadeira, fez a apologia do Cristianismo e demonstrou a falsidade dos cultos idolátricos. Não conseguindo discutir com ela, o imperador convocou os cinqüenta filósofos mais cultos do Egito para que refutassem os argumentos da jovem, mas eles também não o conseguiram e, ao final do debate se declararam cristãos. O imperador, encolerizado, condenou à morte os cinqüenta sábios e sua mestra, a qual teve o corpo dilacerado por rodas com lâminas cortantes.

26. São Leonardo de P. Maurício (+ Roma, 1751)

São Leonardo de Porto Maurício foi nascido na Ligúria, ingressou na Ordem franciscana e foi pregador popular de grande sucesso, em várias regiões da Itália. Pregava sobre a Paixão de Nosso Senhor com um fervor tal que comovia todos os corações, por mais endurecidos que estivessem. 

Foi grande propagador da devoção ao Sagrado Coração de Jesus e incentivou a prática do exercício da Via Sacra. Profetizou, numa carta escrita pouco antes de morrer, a proclamação do dogma da Imaculada Conceição, da qual era defensor apaixonado e intransigente. Quando morreu, tal era a fama de sua virtude que o próprio Papa foi ajoelhar-se diante de seu corpo.

27. Santa Catarina Labouré (+ Paris, 1876)

Em 1830, Nossa Senhora apareceu, em Paris, a Santa Catarina Labouré, então jovem religiosa, e lhe ensinou a devoção da Medalha Milagrosa. "Fazei cunhar uma medalha com este modelo. Todas as pessoas que a usarem receberão grandes graças, trazendo-a ao pescoço. As graças serão abundantes para as pessoas que a usarem com confiança" - prometeu a Santíssima Virgem. A promessa efetivamente se cumpriu. 

Em março de 1832, quando iam ser confeccionadas as primeiras medalhas, uma terrível epidemia de cólera, proveniente da Europa oriental, atingiu Paris. Mais de 18 mil pessoas morreram em poucas semanas. Num único dia, chegou a haver 861 mortes. No fim de junho, as primeiras medalhas ficaram prontas e começaram a ser distribuídas entre os flagelados. Na mesma hora refluiu a peste e tiveram início, em série, os prodígios que em poucos anos tornariam a Medalha Milagrosa mundialmente célebre. 

Em 1876, ano da morte de Santa Catarina Labouré, mais de um bilhão de Medalhas Milagrosas já espalhavam graças pelo mundo. Em 1894, a Santa Igreja instituiu a festa litúrgica de Nossa Senhora da Medalha Milagrosa, a ser celebrada neste mesmo dia 27 de novembro.

28. São Tiago da Marca (+ Nápoles, 1476)

Franciscano, tinha vida austeríssima, fazendo continuamente jejuns e penitências. Pediu a Nossa Senhora de Loreto a graça de pregar eficazmente as verdades eternas. A oração foi atendida e, desde então, sua palavra obteve verdadeiros prodígios, conseguindo conversões que pareciam de todo impossíveis. 

Acompanhou São João de Capistrano na pregação da Cruzada contra os turcos e foi um dos artífices da gloriosa vitória de Belgrado, em 1456. Depois de ter feito maravilhas nas regiões da Alemanha, dispunha-se a ir pregar aos próprios turcos, na esperança de receber assim a palma do martírio, mas o Papa Calixto III o chamou a Roma, confiando-lhe o cargo de inquisidor-mor. Desempenhou com dedicação esse cargo e teve a alegria de conseguir converter grande número de hereges, mas, como não podia deixar de ser, atraiu sobre si ódios e perseguições. Morreu com 90 anos, em Nápoles.

29. São Saturnino (+ França, séc. III)

Foi um dos sete bispos enviados por Roma para a evangelização das Gálias, onde fundou a diocese de Toulouse. Segundo um relato do século V, incorreu na ira dos sacerdotes de Júpiter, porque sua simples presença tornava mudo o ídolo ao qual eles costumavam sacrificar um touro. Certo dia, os devotos de Júpiter prenderam São Saturnino e exigiram que fosse ele próprio sacrificar o touro. Diante da recusa do Santo, que ademais desafiou Júpiter a fulminá-lo com um raio se fosse capaz disso, os pagãos o condenaram a ser arrastado até à morte pelo mesmo touro. Por uma piedosa lembrança, os toureiros o têm, na Espanha, como seu protetor especial.

30. Santo André (+ séc. I)

Foi um dos primeiros discípulos de Nosso Senhor. Era irmão de São Pedro, que apresentou ao Mestre. Segundo antiga tradição, pregou na região dos Bálcãs e sofreu o martírio sendo crucificado numa cruz em forma de X (conhecida heraldicamente como Cruz de Santo André).