Translate

sábado, 29 de fevereiro de 2020

Oração ao Caboclo 7 Flechas


"Salve Zambi, Pai e Criador de todo o Universo!

Salve Oxóssi, Rei das Matas e chefe de todos os Caboclos!

Salve Seu Sete Flechas e sua falange guerreira!

Sete Flechas, baixai sobre nós um jato da vossa divina luz, iluminando os nossos Espíritos para que possamos entrar em comunicação com essa centelha de luz divina que emana das vossas sagradas flechas, nos defendendo e amparando-nos neste mundo terreno.

Salve as sete flechas que vos foram dadas, espiritualmente, para defender-nos de todas as provas que não nos vem de Zambi. 

Bendito seja Oxóssi que vos o colocou sobre o vosso braço direito a flecha da saúde para que derrame sobre nós os bálsamos curadores.

Bendito seja Ogum, que colocou sobre vosso braço esquerdo a flecha da defesa para que sejamos defendidos de todas as maldades materiais e espirituais.

Bendito seja Xangô que vos cruzou uma flecha em vosso peito para defender-nos das injustiças da humanidade.

Bendita seja a grande Mãe Yemanjá que colocou uma flecha sobre as vossas costas para defender-nos das traições de nossos inimigos. 

Bendito seja Oxalá que vos colocou uma flecha sobre vossa perna direita para cobrir os nossos caminhos materiais e a senda da espiritualidade.

Benditas sejam as Santas Almas que vos botou uma flecha sobre vossa perna esquerda, para lavar os nossos caminhos, iluminando os nossos Espíritos e defendendo-nos de todas as forças contrárias à vontade de Deus.

Benditos sejam os Ibejis que entregaram em vossas sagradas mãos a flecha do astral superior, para dar à humanidade a divina força da fé e da verdade.

Zambi foi quem ordenou, os Orixás as flechas vos entregou. Com as forças das sete flechas, Seu Sete Flechas me abençoou.

Saravá Seu Sete Flechas!"

quinta-feira, 27 de fevereiro de 2020

"Reflexão sobre a doença", pelo Espírito de Joanna de Ângelis

Joanna de Ângelis, por Aurora Parpal (1950) ¹
"Qualquer equipamento de uso, sofre os efeitos do tempo, o desgaste dos serviços, os desajustamentos, caminhando para a superação, o abandono…

O que hoje é de relevante importância, amanhã encontra-se ultrapassado e, assim, sucessivamente.

O corpo humano, da mesma forma, não pode permanecer indene às injunções naturais da sua aplicação e das finalidades a que se destina.

Elaborado pelos atos pretéritos é resistente ou frágil, conforme o material com que foi constituído em razão dos valores pertinentes a cada ser.

Muito justo, portanto, que enferme, se estropie, se desgaste e morra.

Transitório, em razão da própria junção, é, todavia, abençoado instrumento do progresso para o Espírito na sua marcha ascensional.

Chamado à reflexão, por esta ou aquela enfermidade, mantém-te sereno.

Vitimado por uma ou outra mutilação, aprofunda o exame dos teus valores íntimos e busca retirar da experiência as vantagens indispensáveis.

Surpreendido pelos distúrbios da roupagem física ou da tecelagem no sistema eletrônico do psiquismo, tenta controlá-los e, mesmo lutando pela recuperação, mantém-te confiante.

Não te deixes sucumbir sob as injunções das doenças.

Através da mente sã reconquistarás o equilíbrio da situação. E se fores atingido na área da razão, desde hoje entrega-te a Deus e confia n’Ele.

A doença faz parte do processo normal da vida como parcela integrante do fenômeno da saúde."

Por Joanna de Ângelis | Psicografia: Divaldo Pereira Franco, in "Episódios Diários"
____
Imagem: 1- "A Veneranda Joanna de Ângelis", por Aurora Parpal, 12/12/1950 - Wikimedia Commons (CC0 1.0)

terça-feira, 25 de fevereiro de 2020

Emmanuel: "Ajudamos sempre"

“E quem é o meu próximo?” (Lucas, 10:29)

"O próximo a quem precisamos prestar imediata assistência é sempre a pessoa que se encontra mais perto de nós.

Em suma, é, por todos os modos, a criatura que se avizinha de nossos passos. E como a Lei Divina recomenda amemos o próximo como a nós mesmos, preparemo-nos para ajudar, infinitamente...

Se temos pela frente um familiar, auxiliemo-lo com a nossa cooperação ativa.

Se somos defrontados por um superior hierárquico, exercitemos o respeito e a boa-vontade.

Se um subordinado nos procura, ajudemo-lo com atenção e carinho.

Se um malfeitor nos visita, pratiquemos a fraternidade, tentando, sem afetação, abrir-lhe rumos novos na direção do bem.

Se o doente nos pede socorro, compadeçamo-nos de sua posição, qualquer que ela seja.

Se o bom se socorre de nossa palavra, estimulemo-lo a que se faça melhor.

Se o mau nos busca a influência, amparemo-lo, sem alarde, para que se corrija.

Se há Cristianismo em nossa consciência, o cultivo sistemático da compreensão e da bondade tem força de lei em nossos destinos.

Um cristão sem atividade no bem é um doente de mau aspecto, pesando na economia da coletividade.

No Evangelho, a posição neutra significa menor esforço.

Com Jesus, de perto, agindo intensivamente junto dele; ou com Jesus, de longe, retardando o avanço da luz. E sabemos que o Divino Mestre amou e amparou, lutou em favor da luz e resistiu à sombra, até à cruz.

Diante, pois, do próximo, que se acerca do teu coração, cada dia, lembra-te sempre de que estás situado na Terra para aprender e auxiliar."

Emmanuel
____
Fonte: 4º livro da coleção "Fonte Viva", pg. 236 — Ditado pelo Espírito Emmanuel e psicografada pelo médium Francisco Cândido Xavier (Citação parcial para estudo, de acordo com o artigo 46, item III, da Lei de Direitos Autorais) - Imagem: Retrato oficial da Entidade Emmanuel, pintada por Delpino Junior a pedido de Chico Xavier onde o pintor esteve em transe durante a obra - c. 1940 (CC BY-SA 3.0)

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2020

Oração à Nossa Senhora do Divino Amor

Nossa Senhora do Divino Amor!
Rogai por nós, que recorremos a Vós!
Existe em Roma o famoso Santuário de Nossa Senhora do Divino Amor, localizado à via Ardeatina, km 12. Tem-se notícia da devoção à Virgem sob este título já no século XIII, quando naquela região da planície romana foi construída uma espécie de fortaleza da família Savelli/Orsini, chamada Castel di Leva.

Sobre uma torre do castelo havia uma imagem da Virgem assentada no trono, tendo ao colo o Menino Jesus. Uma pomba desce sobre a Virgem como símbolo do Espírito Santo, que é mesmo o Divino Amor. A imagem, naquela época, era muito venerada pelos pastores da região.

Na primavera de 1740, um viandante que se dirigia a Roma, chegando perto da torre, foi atacado por uma matilha de cães e estava para ser devorado; o pobrezinho levantou os olhos, viu a sagrada imagem e pediu ajuda à mãe de Deus; o milagre se realizou: os cães dispersaram-se de repente, fugindo pelos campos.

Em 1944, Roma corria o perigo de ser destruída por causa da guerra. No dia 24 de janeiro o quadro da Virgem foi tranferido para a cidade. Esteve em várias igrejas até chegar na igreja de Santo Inácio, onde, no dia 4 de junho de 1944, o povo de Roma, para obter a libertação da cidade fez três promessas à Virgem: de mudar a própria vida, de erigir um novo Santuário e de realizar uma obra de caridade, em sua honra.

Nossa Senhora realiza o milagre e Roma é salva. O Papa Pio XII, no dia 11 de junho de 1944, foi rezar com os romanos e deu a Nossa Senhora do Divino Amor o título de "Salvadora de Roma".

Todos os sábados, desde a Páscoa até o fim de outubro, tem lugar uma peregrinação noturna a pé, que parte à meia-noite, saindo de Roma, da Praça de Porta Capena, chegando ao Santuário às 5 horas de Domingo. 


Uma romaria noturna acontece no dia 7 de dezembro, véspera da Imaculada Conceição. Os romeiros noturnos percorrem a famosa Via Ápia Antiga até à Igreja do Quo Vadis, depois tomam a famosa Via Ardeatina, passam por cima das catacumbas de São Calisto, e à frente do Mausoléu das Forças Ardeatinas.

Eles levam aos pés da Virgem as intenções da Igreja de Roma, as intenções dos cidadãos de Roma e também apresentam suas próprias necessidades.

Oração à Nossa Senhora do Divino Amor


"Ó Maria, Virgem Imaculada, mãe de Deus e nossa, ó Mãe do Divino Amor, a ti elevamos as nossas súplicas esperando alcançar as graças que necessitamos.

Tu que mereceste a saudação: 'Cheia de graça', tudo nos podes alcançar. Sim, ó Maria, realmente és cheia de graça, porque o Espírito Santo, teu celestial Esposo, com seu Divino Amor, abriu em ti a sua morada: desde o momento da concepção preservou-te de toda culpa e te conservou imaculada. De novo retornou a ti no dia da Anunciação, fazendo de ti a Mãe; no dia de Pentecoste, pousou sobre ti com seus sete dons e te fez guardiã e fonte das divinas graças.

Elia pois, ó doce Mãe do Divino Amor, as nossas súplicas: concede a paz ao mundo, faz triunfar o teu amor, protege o Papa, reune na unidade perfeita todos os cristãos, ilumina com a luz do Evangelho todos os que ainda não crêem, converte os pecadores, dá-nos a coragem do arrependimento constante e força para vencer as tentações, ilumina a nossa mente para seguirmos sempre o caminho do bem, e finalmente, quando Deus nos chamar abre-nos as portas do céu.

E enquanto gememos e choramos neste vale de lágrimas, socorre-nos em nossas necessidades e conserva em nós o amor diante dos inevitáveis sofrimentos da vida. Cura ó Mãe das graça as nossas enfermidades. Concede a saúde aos teus devotos, liberta ó Maria, das penas do purgatório os fiéis defuntos, especialmente os que foram recomendados às arações do Santuário e as vítimas das guerras. 

Olha com materna bondade e protege as obras do Divino Amor. E a nós, teus filhos, concede-nos ó doce Mãe louvar-te sempre. Que nosso coração arda sempre do amor de Deus nesta vida para gozar eternamente contigo no céu. 

Amém!"
____
Fonte: Blog Coisas de Santos: Nossa Senhora do Divino Amor e Portal A12: Oração à Nsa. Sra. do Divino Amor

sábado, 22 de fevereiro de 2020

Como praticar a Meditação Zen


"Quando alguém pergunta a um monge Zen “o que você faz na meditação”, ele responde, “Não faço nada. Apenas me sento vazio e isso é tudo.” Muitos mestres disseram sobre a meditação: “Apenas fique tranquilo e saiba”. A meditação Zen é o método dos monges Zen que apenas ficam tranquilos e conscientes. Se você se senta tranquilo e vazio, estará fazendo meditação Zen. O principal é estar tranquilo e vazio interiormente.

A meditação Zen é a técnica que gradualmente nos leva ao estado de absoluta tranquilidade e vazio. Leva algum tempo para aprender isso, embora seja uma das técnicas de meditação mais fáceis e efetivas.

Antes de começar a meditação Zen, é essencial entender algumas coisas importantes sobre o cérebro. Nosso cérebro consiste de duas partes: o lado esquerdo e o direito. O lado esquerdo cuida da lógica, teologia, filosofia, matemática e ciência. Todo o processo do pensamento acontece nesse cérebro esquerdo.

O cérebro direito faz nascer a música, a arte, a pintura, o amor e outras emoções. O cérebro direito facilita muito o processo de meditação. O cérebro direito não pensa. Ele está profundamente relacionado à fonte da infinita criatividade. Aqui os pensamentos não surgem como um processo pensante, mas sim algo acontece como uma luz instantânea de criatividade. Essa parte não pensa, ela sente.

Na meditação Zen, usamos nosso cérebro direito para tornar nossa mente livre de pensamentos.

Sente-se de pernas cruzadas com a espinha ereta. Coloque suas mãos em seu colo, uma sobre a outra. Agora olhe sua mão esquerda. Apenas olhe. Consciente da parte esquerda de seu corpo, olhe sua mão esquerda, sem pensar em nada. Tente sentir o lado esquerdo de seu corpo. Sinta o lado esquerdo. Sinta...

Esse processo vai ativar seu cérebro direito. Quando o cérebro direito fica ativado, os pensamentos desaparecem. Seus pensamentos vão começar a desaparecer. Com a prática você será capaz de conseguir em pouco tempo esse estado de desaparecimento dos pensamentos.

Agora inale profundo... conte um. Em seguida exale profundo... conte dois. Inale profundo novamente... conte três. Exale profundo novamente... conte quatro. Continue esta respiração profunda até contar dez.

Em seguida continue inalando e exalando, contando 10... 11... 12... mas respirando normalmente. Se se perder na contagem, comece de novo. Faça isso por meia hora. Para finalizar, inale e exale profundamente mais uma vez, e sua meditação está completa. Faça essa meditação por uma semana.

Depois de uma semana, modifique sua meditação. Ao invés de contar a inalação e a exalação, conte apenas a inalação. Faça isso também por uma semana.

Na semana seguinte, continue essa meditação de meia hora por dia. Mas agora pare de contar. Apenas inale e exale. Apenas esteja consciente da inalação e exalação. Faça isso por uma semana.

Na semana seguinte, apenas fique sentado. Não conte nem se preocupe com a respiração. Esteja apenas consciente do momento. Esteja calmo. Você estará no estado Zen, o estado de calma."
Eklavya
____
Reprodução de postagem originalmente publicada no blog "yoga - ensinamentos: A Meditação Zen – Eklavya", por Iaco, em 12 de fevereiro de 2019 - Imagem: Monge budista meditando na Tailândia / Imagem gratuita pxhere (CC0)

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2020

Chico Xavier: Temos um motivo para estar na vida uns dos outros

Ninguém cruza nosso caminho por acaso e nós não entramos na vida de ninguém sem nenhuma razão.



"Todos que estamos aqui hoje, no mesmo meio, nos encontramos em outras vidas; nossa relação de hoje, nosso encontro, é produto de outras existências. Como estamos novamente juntos, agora podemos acertar os erros do passado, para que na próxima vida que nos encontrarmos as coisas possam ser mais fáceis para todos, e os laços estarem mais fortalecidos.

As pessoas entram na nossa vida por uma “Razão”, ou por uma “Estação”, ou por uma “Vida Inteira”. Quando se percebe por qual motivo é, saberemos saber o que fazer por cada pessoa.

Quando alguém está na nossa vida por uma “Razão” é, geralmente, para suprir uma necessidade que demonstramos. Elas vem para auxiliar numa dificuldade, fornecer orientação e apoio, ajuda física, emocional ou espiritual. Elas poderão parecer como uma dádiva de Deus, e são! Elas estão lá pela razão que nós precisamos que estejam.

Então, sem nenhuma atitude errada da nossa parte, ou em uma hora inconveniente, esta pessoa vai dizer ou fazer alguma coisa para levar essa relação ao fim. Às vezes, eles simplesmente se vão, ou agem de uma forma para tomarmos uma posição. O que devemos entender é que nossas necessidades foram atendidas, nossos desejos preenchidos e o trabalho delas, feito. As suas orações foram atendidas. E agora é tempo de ir.

Quando as pessoas entram em nossas vidas por uma “Estação”, é porque chegou nossa vez de dividir, crescer e aprender. Elas trazem a experiência da paz, nos fazem rir, nos fazem bem. Elas poderão ensinar algo que nunca tínhamos feito antes. Elas, geralmente, dão uma quantidade enorme de prazer. É tudo real. Mas apenas por uma “Estação”.

Relacionamentos de uma “Vida Inteira” ensinam lições para toda a vida: coisas que se deve construir para ter uma formação emocional sólida. A nossa tarefa é aceitar as lições, amar a pessoa, e colocar o que aprendemos em uso em todos os outros relacionamentos e áreas da nossa vida."
Chico Xavier



domingo, 16 de fevereiro de 2020

Uma profunda reforma íntima em 20 lições, por Chico Xavier

20 exercícios para reforma íntima”, por Chico Xavier



1. Executar alegremente as próprias obrigações.
2. Silenciar diante da ofensa.
3. Esquecer o favor prestado.
4. Exonerar os amigos de qualquer gentileza para conosco.
5. Emudecer a nossa agressividade.
6. Não condenar as opiniões que divergem da nossa.
7. Abolir qualquer pergunta maliciosa ou desnecessária.
8. Repetir informações e ensinamentos sem qualquer azedume.
9. Treinar a paciência constante.
10. Ouvir fraternalmente as mágoas dos companheiros sem biografar nossas dores.
11. Buscar sem afetação o meio de ser mais útil.
12. Desculpar sem desculpar-se.
13. Não dizer mal de ninguém.
14. Buscar a melhor parte das pessoas que nos comungam a experiência.
15. Alegrar-se com a alegria dos outros.
16. Não aborrecer quem trabalha.
17. Ajudar espontaneamente.
18. Respeitar o serviço alheio.
19. Reduzir os problemas particulares.
20. Servir de boa mente quando a enfermidade nos fira.

Francisco Cândido Xavier, o nosso amado Chico Xavier


quinta-feira, 13 de fevereiro de 2020

Salmo LXXI: “Ó Deus, quem é igual a ti?”

Leia o Salmo 71 para atrair paz e justiça para todos, visando a fraternidade, a liberdade e a abundância para todas as nações. Saúde para pessoas idosas. Atrair chuva para sua lavoura. Mais amor. Livramentos e proteção contra o mal. Este salmo nos aproxima de Deus, e ao clamar por justiça e liberdade para todos traz a esperança e a fé, para que alcancemos a tão desejada paz universal.

É também um salmo bom para atrair chuva, de maneira benéfica, e proteção contra enfermidades das quais são acometidas as pessoas idosas, servido para ajudar a restaurar e fortalecer a saúde espiritual, física, mental de todos.

O Salmo 71 fala sobre a vitória e o domínio do amor, reforçando nossa fé e a nossa gratidão para com Deus, pois reforça o sentimento na totalidade. Ao entramos em sintonia com sua vibração, o resultado será muito amor, para dar e receber, o mesmo amor que Deus tem para com toda sua criação. É um forte imantador da justiça e da proteção divina, poderoso para afastar as forças do mal, nos trazendo confiança e crença nas ideias e verdades que curam, abençoam, inspiram e elevam. 

Salmo 71


1. Em ti, Senhor, confio; nunca seja eu confundido.
2. Livra-me na tua justiça, e faze me escapar; inclina os teus ouvidos para mim, e salva-me. 
3. Sê tu a minha habitação forte, à qual possa recorrer continuamente. Deste um mandamento que me salva, pois tu és a minha rocha e a minha fortaleza. 
4. Livra-me, meu Deus, das mãos do ímpio, das mãos do homem injusto e cruel.
5. Pois tu és a minha esperança, Senhor Deus; tu és a minha confiança desde a minha mocidade.
6. Por ti tenho sido sustentado desde o ventre; tu és aquele que me tiraste das entranhas de minha mãe; o meu louvor será para ti constantemente.
7. Sou como um prodígio para muitos, mas tu és o meu refúgio forte.
8. Encha-se a minha boca do teu louvor e da tua glória todo o dia.
9. Não me rejeites no tempo da velhice; não me desampares, quando se for acabando a minha força.
10. Porque os meus inimigos falam contra mim, e os que espiam a minha alma consultam juntos,
11. Dizendo ‘Deus o desamparou; persegui-o e tomai-o, pois não há quem o livre.’
12. O Deus, não te alongues de mim; meu Deus, apressa-te em ajudar-me.
13. Sejam confundidos e consumidos os que são adversários da minha alma; cubram-se de opróbrio e de confusão aqueles que procuram o meu mal. 
14. Mas eu esperarei continuamente, e te louvarei cada vez mais.
15. A minha boca manifestará a tua justiça e a tua salvação todo o dia, pois não conheço o número delas.
16. Sairei na força do Senhor Deus, farei menção da tua justiça, e só dela.
17. Ensinaste-me, ó Deus, desde a minha mocidade; e até aqui tenho anunciado as tuas maravilhas.
18. Agora também, quando estou velho(a) e de cabelos brancos, não me desampares, ó Deus, até que tenha anunciado a tua força a esta geração, e o teu poder a todos os vindouros.
19. Também a tua justiça, ó Deus, está muito alta, pois fizeste grandes coisas. O Deus, quem é semelhante a ti? 
20. Tu, que me tens feito ver muitos males e angústias, me darás ainda a vida, e me tirarás dos abismos da terra.
21. Aumentarás a minha grandeza, e de novo me consolarás.
22. Também eu te louvarei com o saltério, bem como à tua verdade, ó meu Deus; cantarei com harpa a ti, ó santo de Israel.
23. Os meus lábios exultarão quando eu te cantar, assim como a minha alma, que tu remiste.
24. A minha língua falará da tua justiça todo o dia; pois estão confundidos e envergonhados aqueles que procuram o meu mal.


segunda-feira, 10 de fevereiro de 2020

Prayers for Protection, to Oneself and Another

Prayer for Oneself


"Lord God, Father of Our Lord Jesus Christ, I come before you in the name of the Lord Jesus. 

I ask that I may have the powerful protection that comes form the Precious Blood of Your Son that was poured out for me on the cross at Calvary. 

In the name of Your Son, the Lord Jesus, I ask that you send angels to protect and defend me from any attack of the enemy and to defend all the members of my family, my friends and loved ones. 

Protect and bless everyone who has asked me to pray for them.

Give me the grace to hear your voice and the courage to walk in your ways. 

I ask this in the name of Jesus Christ, who will come again in the fullness of his glory. To him be glory and praise, now and forever. 

Amen!"

Prayer for Another


"Father in heaven, I lift up (name) to you in the name of Your Son the Lord Jesus.

In Jesus' name I ask You to release warrior angels to drive away from (him/her) any evil spirits that may be harassing, controlling, attacking or deceiving (him/her).

Let your servant (name) enjoy the powerful protection that comes from the Precious Blood of Your Son, Jesus Christ, which was shed for (him/her) on Calvary.

Let (him/her) hear Your voice and always walk in Your ways. 

Amen!"


"Holy Family: Jesus, Mary and Joseph, I love You, Save Souls"

quarta-feira, 5 de fevereiro de 2020

"A fé humana e a divina" - Todos somos capazes de fazer milagres!


"12. No homem, a fé é o sentimento inato de seus destinos futuros; é a consciência que ele tem das faculdades imensas depositadas em gérmen no seu íntimo, a princípio em estado latente, e que lhe cumpre fazer que desabrochem e cresçam pela ação da sua vontade.

Até ao presente, a fé não foi compreendida senão pelo lado religioso, porque o Cristo a exalçou como poderosa alavanca e porque o têm considerado apenas como chefe de uma religião. Entretanto, o Cristo, que operou milagres materiais, mostrou, por esses milagres mesmos, o que pode o homem, quando tem fé, isto é, a vontade de querer e a certeza de que essa vontade pode obter satisfação. Também os apóstolos não operaram milagres, seguindo-lhe o exemplo? Ora, que eram esses milagres, senão efeitos naturais, cujas causas os homens de então desconheciam, mas que, hoje, em grande parte se explicam e que pelo estudo do Espiritismo e do Magnetismo se tornarão completamente compreensíveis?

A fé é humana ou divina, conforme o homem aplica suas faculdades à satisfação das necessidades terrenas, ou das suas aspirações celestiais e futuras. O homem de gênio, que se lança à realização de algum grande empreendimento, triunfa, se tem fé, porque sente em si que pode e há de chegar ao fim colimado, certeza que lhe faculta imensa força. O homem de bem que, crente em seu futuro celeste, deseja encher de belas e nobres ações a sua existência, haure na sua fé, na certeza da felicidade que o espera, a força necessária, e ainda aí se operam milagres de caridade, de devotamento e de abnegação. Enfim, com a fé, não há maus pendores que se não chegue a vencer.

O Magnetismo é uma das maiores provas do poder da fé posta em ação. É pela fé que ele cura e produz esses fenômenos singulares, qualificados outrora de milagres.

Repito: a fé é humana e divina. Se todos os encarnados se achassem bem persuadidos da força que em si trazem, e se quisessem pôr a vontade a serviço dessa força, seriam capazes de realizar o a que, até hoje, eles chamaram prodígios e que, no entanto, não passa de um desenvolvimento das faculdades humanas. – Um Espírito Protetor. (Paris, 1863.)"

Fonte: Allan Kardec, in "O Evangelho segundo o Espiritismo" - Capítulo XIX - "A fé transporta montanhas" - "Instruções dos Espíritos" - "A fé humana e a divina" - Imagem: StockSnap / 27560 imagens - Pixabay License

terça-feira, 4 de fevereiro de 2020

O Cristo cósmico: uma espiritualidade do universo

Crédito da Imagem: "Cristo Entronizado em Sua Criação", Christina DeMichele

"Uma das buscas mais persistentes entre os cientistas que vem geralmente das ciências da Terra e da vida é pela da unidade do Todo. Dizem: “precisamos identificar aquela fórmula que tudo explica e assim captaremos a mente de Deus”. Esta busca vem sob o nome de “A Teoria da Grande Unificação” ou “A Teoria Quântica dos Campos” ou, pelo pomposo nome de “A Teoria de Tudo”. Por mais esforços que se tenham feito, todos acabam se frustrando ou como o grande matemático Stephan Hawking, abandonando esta pretensão. O universo é por demais complexo para ser apreendido por uma única fórmula.

Entretanto, pesquisando as partículas sub-atômicas, mais de cem, e as energias primordiais, chegou-se a perceber que todas elas remetem àquilo que se chamou de “vácuo quântico” que de vácuo não possui nada porque é a plenitude de todas as potencialidades. Desse Fundo sem fundo surgiram todos os seres e o inteiro universo. É representado como um vasto oceano sem margens, de energia e de virtualidades. Outros o chamam de “Fonte Originária dos Seres” ou o “Abismo alimentador de Tudo”.

Curiosamente, cosmólogos como um dos maiores deles, Brian Swimme, denomina-o de o Inefável e o Misterioso (The Hidden Heart of the Cosmos, 1996) Ora, estas são características que as religiões atribuem à Última Realidade que vem chamada por mil nomes, Tao, Javé, Alá, Olorum, Deus. O Vácuo pregnante de Energia se não é Deus (Deus é sempre maior) é a sua melhor metáfora e representação.

Esse vácuo repleto é o fundamental e não a matéria. Esta é uma das emergências desta Fonte Originária. Thomas Berry, o grande ecólogo norte-americano, escreveu a esse respeito: “Precisamos sentir que somos carregados pela mesma energia que fez surgir a Terra, as estrelas e as galaxias; essa mesma energia fez emergir todas as formas de vida e a consciência reflexa dos humanos; é ela que inspira os poetas, os pensadores e os artistas de todos os tempos; estamos imersos num oceano de energia que vai além da nossa compreensão. Mas essa energia, em última instância, nos pertence, não pela dominação mas pela invocação” (The Great Work, 1999, 175), quer dizer, abrindo-nos a ela.

Se assim é tudo o que existe é uma emergência desta energia fontal: as culturas, as religiões, o próprio cristianismo e mesmo as figuras como Jesus, Moisés, Buda, Sócrates, Francisco de Assis e cada um de nós. Tudo vinha sendo gestado dentro do processo evolucionário na medida em que surgem ordens mais complexas, cada vez interiorizadas e interconectadas com todos os seres e com o Todo. Quando acontece determinado nível de acumulação dessa energia de fundo, então ocorre a emergência dos fatos históricos e de cada pessoa singular.

Quem viu esta inserção de Cristo no cosmos foi o paleontólogo e místico Teilhard de Chardin (+1955), aquele que reconciliou a fé crista com a ideia da evolução ampliada e da nova cosmologia. Ele distingue o “crístico” do “cristão”. O crístico comparece como um dado objetivo dentro do processo da evolução: um elo que tudo liga e re-liga. Porque estava lá dentro pôde irromper, um dia na história, na figura de Jesus de Nazaré.

Portanto, quando este crístico é reconhecido subjetivamente, se transforma em conteúdo da consciência de um grupo, se transforma em “cristão”. Então aparece na forma do cristianismo histórico, fundado em Jesus, o Cristo, encarnação do crístico. Daí se deriva que suas raízes derradeiras não se encontram na Palestina do primeiro século, mas dentro do processo da evolução cósmica que já existe há cerca de 13,7 bilhões de anos.

Santo Agostinho escrevendo a um filosofo pagão (Epistola 102) intuiu esta verdade: ”Aquela que agora recebe o nome de religião cristã sempre existia anteriormente e não esteve ausente na origem do gênero humano, até que Cristo veio na carne; foi então que a verdadeira religião que já existia, começou a ser chamada de cristã.”

No budismo se faz semelhante raciocínio. Existe a budeidade (a capacidade de iluminação) que vem se forjando ao longo do processo da evolução, até que ela irrompe em Sidarta Gautama que virou Buda (o iluminado). Esta só pôde se manifestar na pessoa de Gautama porque antes, a budeidade, estava lá no processo evolucionário. Então virou o Buda, como Jesus virou o Cristo.

Quando esta compreensão vem internalizada a ponto de transformar nossa percepção das coisas, da natureza, da Terra e no Universo, então abre-se o caminho para uma experiência espiritual cósmica, de comunhão com tudo e com todos. Realizamos por esta via espiritual o que os cientistas buscavam pela via da ciência: um elo que tudo unifica e atrai para frente."

Leonardo Boff, filósofo, teólogo e escritor 
(reprodução de Instituto Humanitas Unisinos
Imagem: Ícone "Cristo Entronizado em Sua Criação", por Christina DeMichele

domingo, 2 de fevereiro de 2020

Mensagem de André Luiz: "À beira do desânimo? Não desanime!"

"Quando você se observar, à beira do desânimo, acelere o passo para frente, proibindo-se parar.

Ore, pedindo a Deus mais luz para vencer as sombras. Faça algo de bom, além do cansaço em que se veja.

Leia uma página edificante, que lhe auxilie o raciocínio na mudança construtiva de idéias.

Tente contato de pessoas, cuja conversação lhe melhore o clima espiritual.

Procure um ambiente, no qual lhe seja possível ouvir palavras e instruções que lhe enobreçam os pensamentos.

Preste um favor, especialmente aquele favor que você esteja adiando.

Visite um enfermo, buscando reconforto naqueles que atravessam dificuldades maiores que as suas.

Atenda às tarefas imediatas que esperam por você e que lhe impeçam qualquer demora nas nuvens do desalento.

Guarde a convicção de que todos estamos caminhando para adiante, através de problemas e lutas, na aquisição de experiência, e de que a vida concorda com as pausas de refazimento das nossas forças, mas não se acomoda com a inércia em momento algum."

Autor: André Luiz / Médium: Chico Xavier

André Luiz é o nome atribuído pelo médium e filantropo brasileiro Francisco Cândido Xavier a um dos espíritos mais frequentes em sua obra psicografada. André Luiz teria sido um médico em sua última encarnação e muitas das obras psicografadas atribuídas a ele possuem diversas informações biológicas complexas.