Translate

quarta-feira, 30 de agosto de 2017

6 Segredos que Devemos Guardar, Segundo os Orientais



6 coisas que você deve manter em segredo, segundos os sábios orientais
Via Eco-Vida

Os povos antigos eram dotados de uma sabedoria incomparável. 

Muitas de suas descobertas e ensinamentos sobreviveram até os dias de hoje – e isso não é por acaso.

Os sábios orientais, por exemplo, deixaram muitos ensinamentos que se mantêm atualizados até os dias atuais.

E vamos compartilhar com você alguns desses ensinamentos do mundo oriental:

1. Nunca revele o que você está planejando para o seu futuro

Comentar o que pretende fazer no futuro pode resultar numa grande frustração: desistência. As pessoas podem ser bastante negativas e levar você a desacreditar no seu sonho. Mantenha segredo entre você e Deus. Quando tudo já estiver bem encaminhado, comemore com quem ama.

2. Não compartilhe com os outros sobre as limitações de seu corpo

Sabe quando você tem dores, cansaço ou enfrenta dificuldades para realizar algumas atividades? Se possível, não compartilhe isso com todo mundo. O corpo é algo muito pessoal e você deve aprender a ser forte e conviver com ele sem lamentações.


3. Não se vanglorie de seus atos mais caridosos

Se você ajuda alguém, deve fazer por amor e não para se vangloriar. O ego pode estimular essa atitude horrível, mas fuja ao máximo da arrogância. Além de se colocar numa situação bem complicada, você também pode deixar outras pessoas constrangidas e humilhadas.

4. Evite se gabar da sua coragem e do seu valor

Quando alguém é digno de admiração, as pessoas reconhecem facilmente, não é preciso você se gabar. O máximo que vai conseguir se autopromovendo são críticas e uma imagem nada positiva.

5. Não desperdice seu tempo falando mal dos outros

Quando falamos mal dos outros, estamos revelando muito mais sobre nós do que sobre quem reclamamos. Além disso, o ambiente fica pesado e a mente cheia de pensamentos ruins.

6. Não diga todos os problemas que sofre em sua vida pessoal

Há quem sai divulgando, até nas redes sociais, os problemas que vem enfrentando. Lembre-se de que é muito importante se preservar. Quando falamos demais, corremos o risco de revelar segredos ou de ficarmos muito vulneráveis diante de quem nos ouve.

Fonte: http://www.curapelanatureza.com.br/post/08/2017/6-coisas-que-voce-deve-manter-em-segredo-segundo-os-sabios-orientais

segunda-feira, 28 de agosto de 2017

"A reencarnação de um político", por J. Raul Teixeira



O médium J. Raul Teixeira conta que certo dia ia a uma conferência numa cidade importante do Brasil, e ao dirigir-se para almoçar num restaurante, com os seus anfitriões, enquanto esperavam que o semáforo abrisse para atravessarem larga avenida, ele via uma mulher andrajosa ali ao lado, no caixote do lixo a procurar comida e a separar o lixo mais limpo do mais sujo. Tal cena causou-lhe tamanha impressão, que perdeu a vontade de almoçar, embora a necessidade de o fazer.

Enquanto tentava se recompor mentalmente, já no restaurante, pensando naquele ser que nada tinha, e ele ali num restaurante com os seus amigos, apareceu-lhe, através do fenômeno da vidência espiritual, um espírito amigo que o acompanha na sua tarefa doutrinária, que o acalmou, referindo que mesmo que fosse dar comida àquela senhora ela recusaria. 

E o Espírito, em breves pinceladas contou a história daquela mulher, que nesta vida era a reencarnação de um famoso político brasileiro, ainda hoje muito conceituado, e que por ter prejudicado tanto o povo, tinha reencarnado numa condição miserável, devido ao mecanismo do complexo de culpa que fez, após a morte do corpo de carne, no mundo espiritual (onde não conseguimos esconder nada, nem de nós, nem dos outros), voltando numa condição miserável para aprender a valorizar aquilo que ele tanto desprezara na vida anterior: AS DIFICULDADES FINANCEIRAS DO PRÓXIMO. 

Curiosamente, o nome desse famoso político estava afixado nesse local, dando nome à avenida, e essa mulher, por um mecanismo de fixação inconsciente, não largava aquele local onde outrora lhe prestaram grandes homenagens. Não era um castigo divino, mas sim uma decorrência da Lei de Causa e Efeito, onde cada um colhe de acordo com os seus atos, pensamentos e sentimentos.

"A SEMEADURA É LIVRE MAS A COLHEITA OBRIGATÓRIA"

FRASE DE CHICO XAVIER:

"Devemos orar pelos políticos, pelos administradores da vida pública. A tentação do poder é muito grande. Eu não gostaria de estar no lugar de nenhum deles. A omissão de quem pode e não auxilia o povo é comparável a um crime que se pratica contra a comunidade inteira. Tenho visto muitos espíritos dos que foram homens públicos na Terra em lastimável situação na Vida Espiritual..."


sexta-feira, 25 de agosto de 2017

Borboleta, a mensageira espiritual



Borboletas são mensageiras espirituais. Veja o que elas significam para você:
Traduzido pela Equipe de O Segredo

Você já notou a beleza fugaz de uma borboleta enquanto ela flutua? As borboletas possuem qualidades interessantes! Elas parecem etéreas e frágeis, bem como fadas dançando no ar.

Essas belas criaturas fazem mais do que apenas ser bonitas e polinizarem flores. Elas podem servir como mensageiras espirituais, tanto literalmente como figurativamente.

A borboleta como a metáfora espiritual

Quando você pensa sobre a borboleta e seu ciclo de vida, ela contém um grande significado espiritual. Começando como um ovo, ela nasce como uma lagarta. Em seguida, entra no próximo estágio onde se torna um casulo. E, finalmente, a magnífica borboleta emerge em toda a sua glória alada.

Em muitos aspectos, as borboletas servem como uma metáfora para a jornada espiritual da alma. Sua metamorfose representa nossa própria transformação espiritual. Começamos como um ser e aprendemos a funcionar dentro deste mundo, bem como a lagarta. Nós rastejamos ao longo da vida em nossas atividades diárias, mas buscamos um significado mais profundo.

Eventualmente, seguimos essa jornada interior para entrar em contato com o nosso eu interior, bem como envolver-nos em um casulo. Meditamos, oramos, lemos e estudamos verdades espirituais. Voltamos nosso foco para dentro de nós. Em algum momento, estamos prontos para emergir e compartilhar nossa verdadeira essência com o mundo. Bem como a borboleta, nós abrimos nossas asas e voamos.

As borboletas possuem vidas relativamente curtas, a maioria vive por apenas uma semana ou duas no máximo. Algumas espécies como a monarca podem viver até seis meses.

Mesmo assim, isso não é muito tempo para os humanos. Isso também serve como um lembrete para nós. Embora vivamos muito mais do que a borboleta, a vida é fugaz e o tempo se move rapidamente.

Às vezes, não percebemos isso e, de repente, os anos já se passaram. Borboletas nos ensinam a aproveitar o momento presente e aproveitar ao máximo nossa existência aqui na terra. Elas também nos lembram que a morte é apenas uma outra transformação.


Borboletas como criaturas poderosas

Essas criaturas poderosas são reverenciadas em muitas culturas xamãs, especialmente entre os nativos americanos. Cada uma delas tem qualidades e forças específicas que podem muito nos ensinar. Borboletas representam alegria, liberdade, criatividade e mudança. Seus poderes transformadores também simbolizam a transformação e a evolução da alma.

Quando você vê uma borboleta em seus sonhos ou na realidade, isso pode ser considerado uma mensagem. Pare por um momento e dê uma olhada no que está acontecendo em sua vida. É hora de fazer algumas mudanças?

Ou talvez você já esteja passando por uma transformação na vida? Se assim for, essa criatura poderá lhe fornecer a força para seguir em frente e também pode lembrá-lo de desfrutar de sua liberdade e criatividade, para não levar a vida muito a sério. Da mesma forma, grupos de borboletas indicam as mesmas mensagens, apenas de forma mais urgente e proeminente.

Borboletas como mensageiros espirituais

As borboletas também transmitem outras notícias espirituais. Os anjos comunicam-se frequentemente conosco através das borboletas. Quando uma borboleta aparece em seu meio, pode ser o seu anjo da guarda ou espírito guia enviando-lhe um sinal. É difícil ignorar a presença de uma borboleta, então, considere isso como um comunicado importante.

Alguns veem a borboleta como um símbolo da Ressurreição, enquanto outros a consideram como a essência da alma de um falecido. Na verdade, há um velho ditado irlandês: 

“As borboletas são as almas dos que já se foram, esperando para passar pelo purgatório.”

De qualquer forma, as borboletas servem como mensageiros espirituais importantes. Muitas vezes, cabe ao intérprete decidir o verdadeiro significado.

Então, da próxima vez que uma borboleta cruzar seu caminho, tome cuidado com esse mensageiro espiritual. Você está obviamente destinado a receber uma mensagem de grande importância!

Fonte: Reprodução do site A Grande Arte de Ser Feliz - acessado em 25/08/2017

terça-feira, 22 de agosto de 2017

Marinheiros e Marinheiras de Umbanda



Nomes de Marinheiros e Marinheiras na Umbanda, assim como de outras linhas, costumam trazer dúvidas e curiosidade aos umbandistas.

A Umbanda é uma religião 100% brasileira que se utiliza de conceitos de outras religiões como as religiões indígenas, o espiritismo, o catolicismo, etc.

Como tal, apresenta uma ampla linha de trabalho pautada em diferentes culturas.

Uma delas é a linha de Marinheiros regida diretamente por Iemanjá e indiretamente por outros Orixás (dependendo de onde aquele Marinheiro é).

Algumas Casas de Umbanda tratam a linha de Marinheiro como vibração direcionada a Linha D’Agua: Oxum (Marinheiros de águas doces), Iemanjá (Marinheiro dos mares), Nanã (Marinheiro de águas turvas), Iansã (Marinheiro de águas agitadas e tempestades).

Mas nada impede de termos um Marinheiro ligado aos outros Orixás: Pescadores (Oxóssi/Iemanjá/Oxum), soldados da marinha (Ogum), profissionais e mercadores do porto (Oxóssi), etc.

Já o Candomblé segue Nações (Ketu, Gêge, Nagô) e, como tal, sua doutrina antecede a Umbanda e nem todas elas reconhecem a linha de Marinheiros.

Isso ocorre por que a maior parte do Candomblé prefere atuar com Orixás e não com “catiços”.

Não entraremos nesta questão teológica, mas apresentaremos abaixo alguns nomes de Marinheiros de Umbanda:

-Martin Pescador

-Martin Negreiro

-Marinheiro das Sete Praias

-Marinheiro Mercador

-Manoel Marujo

-Manoel da Praia

-João da Praia

-João do Rio

-João do Farol

-João Marujo

-Zé do Mar

-Zé da Jangada

-Zé do Bote

-Zé do Cais

-Zé Pescador

-Zé da Proa

-Seu Atenor

-Seu Sete Ondas

-Seu Sete Cais


Nomes de Marujas ou Marinheiras também tem surgido recentemente. Ainda não se sabe se são figuras de “Marinheiras”, “Sereias” ou “Ondinas”, mas se percebe a manifestação de mentoras na linha de Marinheiros:

-Dona Sete Praias

-Luzia dos Sete Mares

-Luzia do Cais

-Maria do Farol

-Maria das Ondinas

-Luíza Ondina

-Luíza do Cais

-Marina Pescadora

-Marina das Sete Ondas

-Janaína da Jangada

-Janaína Mercadora

-Tina do Cais

-Tina do Porto

Em algumas Casas também tem se notado nomes de Marinheiros com atuação na Direita e na Esquerda (vulgo “Piratas”) assumindo papel na linha de Marinheiros como Zé Pilintra está para a linha de Baianos/Esquerda:

-João Pirata

-João Caolho

-Zé do Timão

-Zé da Prancha

-Pirata Ruerez

-Capitão Baleia

-Capitão Caveira

-Seu Perna de Pau dos Sete Mares

-Seu Terra a Vista

Sua Casa pode:

1) Reconhecer ou não a linha de Marinheiros;

2) Reconhecer ou não a presença de mentoras nesta linha;

3) Enquadrar as mentoras na linha de Marinheiro ou na linha das Ondinas/Sereias;

4) Reconhecer ou não a presença de espíritos que se aproximam à configuração de uma linha de Piratas;

5) Enquadrá-los tal como Zé Pilintra entendendo que estes Guias atuam tanto na força da Direita quanto da Esquerda.

Independente de qual seja a doutrina da sua Casa, respeite a fé alheia, pois a Umbanda já tem intolerantes demais do lado de fora.

Cada Casa tem a sua doutrina e cada Guia o seu Axé. Se você é médium em desenvolvimento e obteve intuição do nome do seu (sua) Marinheiro (a) e ainda tem dúvidas, procure o Pai de Santo de sua confiança.

Fonte: Texto de Eduardo de Oxóssi - Blog do Baiano Juvenal

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

São Roque, 16 de Agosto - Obaluaiê na Umbanda



São Roque, nasceu Roque de Montpellier (c. 1295 – 1327) é um santo da Igreja Católica Romana, protetor contra a peste e padroeiro dos inválidos e cirurgiões. É também considerado por algumas comunidades católicas como protetor do gado contra doenças contagiosas. 

A sua popularidade, devido à intercessão contra a peste, é grande sendo orago de múltiplas comunidades em todo o mundo católico e padroeiro de diversas profissões ligadas à medicina, ao tratamento de animais e dos seus produtos e aos cães. 

São Roque é geralmente representado em trajes de peregrino, por vezes com a vieira típica dos peregrinos de Compostela, e com um longo bordão do qual pende uma cabaça. Um dos joelhos é geralmente mostrado desnudado, sendo visível uma ferida (bubão da peste). Por vezes é acompanhado por um cão, que aparece a seu lado trazendo-lhe na boca um pão (vide foto).

A sua festa celebra-se a 16 de Agosto

A Palmi, Itália, 16 de agosto é feita a "festa de San Rocco". Existem inúmeras tradições. Durante a procissão da estátua pelas ruas, alguns fiéis vestindo participar de ofertas votivas, despido da cintura para cima, uma capa de espinhos de vassoura selvagem (chamados de "spalas")

A procissão dura quatro horas e meia e abrange sete quilômetros de estrada, com uma participação de cerca de 30 mil devotos. Outra forma de oferenda é cera, humano anatômica, como um sinal de gratidão por uma cura milagrosa. Nos dias do festival correr pelas ruas ao ritmo de tambores, dois gigantes de papelão chamado de "Mata" e "Grifone".



Sincretismo na Umbanda

No dia 16 de Agosto, festeja-se Omulu (Obaluaiê) na Umbanda. O sincretismo com São Roque dá-se pela representação desse santo apresentar chagas em seu corpo, e por serem cultuados os Orixás Omulu e Obaluaiê como as energias responsáveis tanto pelas doenças como por sua cura.

O nome desses Orixás está relacionado ao "rei e dono da terra". Sua veste é representada em palha e esconde o segredo da vida e da morte. Está relacionado à terra quente e seca, como o calor do fogo e do Sol.

Energias Divinas cultuadas desde o Antigo Egito, os Orixás Omulu e Obaluaiê sempre estiveram presentes nas diversas culturas, através da figura do “Anjo da Morte”, do “Ceifador de Vidas”. Na África, essas energias eram consideradas como os Senhores da Vida e da Morte, dependendo do culto seguido. Quando os negros africanos aqui chegaram, trouxeram em sua bagagem esse conhecimento adquirido ao longo dos tempos, legando a esses Orixás os domínios sobre a morte, as doenças e à medicina.

É muito comum, no culto umbandista, os terreiros não fazerem diferenciação entre a energia dos Orixás Obaluaiê e Omulu. No entanto, existem características distintas em cada uma dessas emanações do Criador. Provavelmente a confusão que existe em relação a essas duas Forças Cósmicas deriva do fato de que ambos os Orixás, Omulu e Obaluaiê, regem as energias relacionadas à vida e morte dos espíritos encarnados.

No aspecto relativo à morte, o Orixá Omulu é aquele que nos encaminha após nosso desencarne até o nosso local de destino, até que nos deparemos com o resultado de nossa última existência carnal. Seus falangeiros são os espíritos que atuam na hora da libertação da matéria. É por isso que a energia desse Orixá está presente em cemitérios, hospitais, necrotérios, etc.

Já a energia que recebe o nome de Obaluaiê, juntamente com a energia do Orixá Nanã, é encarregado de trazer o espírito à nova vida que irá ter na matéria. Obaluaiê é o Senhor das Passagens. Seus falangeiros respondem pela elaboração do projeto da nova encarnação do espírito, fazendo a redução do perispírito até o tamanho fetal, atuando na ligação do espírito ao corpo, após a fecundação, fixando-o ao útero materno para o desenvolvimento com vida e posterior nascimento.

Obaluaiê, assim como Omulu, traz a cura para as nossas doenças. É a energia de Obaluaiê que possibilita a atuação dos médicos e profissionais de saúde para trazerem o alívio necessário às dores dos que sofrem.


Oração a São Roque

"Glorioso São Roque, alcançai-nos de Cristo Nosso Senhor as graças que nos são necessárias para vivermos dignamente a vida cristã.
Aumentai em nós a fé, a esperança e a caridade.
Seguindo o Vosso Exemplo queremos amar a Deus sobre todas as coisas e amar ao próximo como Cristo nos mandou.
Queremos ajudar aos pobres, aos doentes, aos necessitados de toda a espécie, como vós mesmo o fizestes.
E que um dia, na glória do céu, nós possamos, convosco, gozar da vida eterna. Amém."

Oração a São Roque - Para alcançar a cura em qualquer enfermidade

"Ó inefável padroeiro nosso, São Roque, pela ardente caridade com que amastes o próximo nesta terra, chegastes a expor vossa própria vida para assisti-lo nas necessidades e doenças, especialmente nas moléstias contagiosas. Oh! Fazei que estejamos sempre livres dessas terríveis enfermidades e livrai-nos da peste ainda perigosa que é o pecado. Amém!"
“São Roque bendito, de Jesus querido, livrai-nos da peste e de quem nos tenha ofendido.”

Oração a Obaluaiê

"Salve o Senhor o Rei da Terra!
Médico da Umbanda, Senhor da Cura de todos os males do corpo e da alma.
Pai da riqueza e da bem-aventurança.
Em ti deposito minhas dores e amarguras, rogando-te as bênçãos de saúde, paz e prosperidade.
Faz-me digno de merecer todo dia e toda noite, vossas bênçãos de luz e misericórdia.
Oh, Mestre da Vida,
Vós é o limitador das enfermidades.
Suplicamos sua misericórdia aos males que nos afetam!
Que suas chagas abriguem nossas dores e sofrimentos. Concede-nos corpos sadios e almas serenas.
Mestre da Cura, amenize nossos sofrimentos que escolhemos resgatar nessa encarnação!
ATOTÔ
ATOTÔ OBALUAIÊ!"
“Casinha branca, casinha branca, que eu mandei fazer para oferecer a meu pai Omulu, meu pai Omulu, seu Atotô Obaluaiê oi salve Mamãe Oxum! Saluba Nanã Buruquê! Salve Atotô Obaluaiê...”
Fonte: Wikipedia | Genuína Umbanda


domingo, 13 de agosto de 2017

Prece Espírita para o Dia dos Pais



Allan Kardec foi o decodificador do espiritismo. Depois de muito estudar acontecimentos sobrenaturais e de receber mensagens, ele juntou o que descobriu na Doutrina Espírita que prega valores como caridade, a Lei do Retorno e a importância de se rezar. 

As preces espíritas que Allan Kardec e outros líderes indicam, falam sobre o equilíbrio, a proteção, o bem e o amor a todos a sua volta.

Faça essa prece espírita de Allan Kardec todas as noites ou de manhã para pedir fé e força para enfrentar os desafios da vida. Sinta-se sempre acompanhado e amparado pelas forças do Universo.



Oração aos Anjos Guardiões – Preces espíritas de Allan Kardec

"Espíritos sábios e benevolentes, mensageiros de Deus, cuja missão é assistir aos homens e conduzi-los pelo bom caminho. Amparai-me nas provas desta vida; dai-me a força de sofrê-las sem lamentações; desviai de mim os maus pensamentos, e fazei que eu não dê acesso a nenhum dos maus Espíritos que tentariam induzir-me ao mal.

Esclarecei a minha consciência sobre os meus próprios defeitos, e tirai-me dos olhos o véu do orgulho, que poderia impedir-me de percebê-los e de confessá-los a mim mesmo.

Vós, sobretudo, meu Anjo Guardião, que velais mais particularmente por mim, e vós todos, Espíritos Protetores, que vos interessais por mim, fazei que eu me torne digno da vossa benevolência. Vós conheceis as minhas necessidades; que elas sejam satisfeitas segundo a vontade de Deus.

Meu Deus, permite que os Bons Espíritos que me assistem possam ajudar-me, quando me achar em dificuldades, e amparar-me nas minhas vacilações. Senhor, que eles me inspirem a fé, a esperança e a caridade, que sejam para mim um apoio, uma esperança e uma prova da Vossa misericórdia. Fazei, enfim, que eu neles encontre a força que me faltar nas provas da vida, e para resistir às sugestões do mal, a fé que salva e o amor que consola.

Espíritos amados, Anjos Guardiões, vós, a quem Deus na sua infinita misericórdia, permite velarem pelos homens, sede o nosso amparo nas provas desta vida terrena.

Dai-nos a força, a coragem e a resignação; inspirai-nos na senda do bem, detendo-nos no declive do mal; que vossa doce influência impregne as nossas almas; fazei que sintamos a presença, ao nosso lado, de um amigo devoto, que assista os nossos sofrimentos e participe das nossas alegrias.

E vós, meu Anjo Bom, nunca me abandoneis. Necessito de toda a vossa proteção, para suportar com fé e amor as provas que Deus quiser enviar-me."



Oração para benção dos pais 


"Venho hoje a ti, Senhor pedir que estenda tuas mãos divinas sobre todos os pais, abençoando-os. Abençoa, Senhor, o pai amigo e companheiro. O pai sempre presente, que oferece colo e estende a mão, mas, também, o pai ausente, colocando todo teu amor sem seu coração. 

Abençoa, Senhor, o pai que hoje recebe o abraço dos filhos e o pai que chora a ausência do filho que partiu para teus braços. Dai a este o consolo da mansa saudade e enxuga, com teu divino manto, as lágrimas que vertem de seus olhos. 

Estenda, Senhor, tuas mãos de amor sobre todos os pais, concedendo a eles os dons da paciência, compreensão, tranquilidade, ternura, justiça, fé na vida e em seus filhos e amor, muito amor. 

 E aos filhos, cujos pais estão junto a ti, dai a fé e o entendimento de que os pais nunca vão embora. Eles apenas mudam de lugar."

terça-feira, 8 de agosto de 2017

Oração a Oxalá


"Ó poderoso Pai Oxalá, o maior dos Orixás, aspiração suprema dos desejos dos nossos corações, encaminhamos até a sua claridade, clareando todos os nossos passos no amanhecer de cada dia.

Que a luz, a eterna luz que o senhor derramou e derrama todos os dias, cubra a cabeça daqueles que a ti estão ligados numa corrente de fé e num só pensamento elevamos as nossas preces.

Oxalá nosso Pai, dai-nos a graça de chorarmos sinceramente nossas faltas cometidas, e com espírito de humildade, nos purificarmos através da fé e da caridade. Que nós consigamos limpar a morada dos nossos corações, desterrando tudo que é mundano, vício, ódio e, maldade, na certeza de que com toda esta humildade alcançaremos o Senhor.

Pai Oxalá, sabeis que a razão humana é fraca, e pode enganar-nos, mas a verdadeira fé não pode ser enganada.

Obrigado Pai Oxalá por tudo que o Senhor nos deu e nos dá. Esperamos todos unidos, que o senhor nos escolha para sermos mais alguns dos vossos íntimos amigos.

Assim seja!"
____
Fonte: Blog "Umbanda em debate" | Originalmente publicado em www.ruadasflores.com

sábado, 5 de agosto de 2017

Salmo L: "Para receber o perdão de Deus"





É o salmo para fazer uma reflexão sobre o materialismo, sobre o poder, sobre a ganância, contra sede de subir na vida materialmente, contra mentira e adultério, por que tudo que tem aqui na terra ao morrer deixará. 

É um ato de confissão!

Orado com fé, é muito eficiente para receber o perdão de Deus e fortalecer a sabedoria e a humildade. Estimula a doação. Ajuda para alcançar o perdão a firmeza e perseverança nos ideais, a evolução espiritual. 



Salmo 50

1. Ao mestre de canto. Salmo de Davi, 

2. quando o profeta Natã foi encontrá-lo, após o pecado com Betsabé. 

3. Tende piedade de mim, Senhor, segundo a vossa bondade. E conforme a imensidade de vossa misericórdia, apagai a minha iniqüidade. 

4. Lavai-me totalmente de minha falta, e purificai-me de meu pecado. 

5. Eu reconheço a minha iniqüidade, diante de mim está sempre o meu pecado. 

6. Só contra vós pequei, o que é mau fiz diante de vós. Vossa sentença assim se manifesta justa, e reto o vosso julgamento. 

7. Eis que nasci na culpa, minha mãe concebeu-me no pecado. 

8. Não obstante, amais a sinceridade de coração. Infundi-me, pois, a sabedoria no mais íntimo de mim. 

9. Aspergi-me com um ramo de hissope e ficarei puro. Lavai-me e me tornarei mais branco do que a neve. 

10. Fazei-me ouvir uma palavra de gozo e de alegria, para que exultem os ossos que triturastes. 

11. Dos meus pecados desviai os olhos, e minhas culpas todas apagai. 

12. Ó meu Deus, criai em mim um coração puro, e renovai-me o espírito de firmeza. 

13. De vossa face não me rejeiteis, e nem me priveis de vosso santo Espírito. 

14. Restituí-me a alegria da salvação, e sustentai-me com uma vontade generosa. 

15. Então aos maus ensinarei vossos caminhos, e voltarão a vós os pecadores.

16. Deus, ó Deus, meu salvador, livrai-me da pena desse sangue derramado, e a vossa misericórdia a minha língua exaltará. 

17. Senhor, abri meus lábios, a fim de que minha boca anuncie vossos louvores.

18. Vós não vos aplacais com sacrifícios rituais; e se eu vos ofertasse um sacrifício, não o aceitaríeis. 

19. Meu sacrifício, ó Senhor, é um espírito contrito, um coração arrependido e humilhado, ó Deus, que não haveis de desprezar. 

20. Senhor, pela vossa bondade, tratai Sião com benevolência, reconstruí os muros de Jerusalém. 

21. Então aceitareis os sacrifícios prescritos, as oferendas e os holocaustos; e sobre vosso altar vítimas vos serão oferecidas.


quinta-feira, 3 de agosto de 2017

Amplie sua experiência além do "Eu"



Um experimento de percepção para explodir sua cabeça
Compartilhado de: Equipe Despertar Coletivo
Autoconhecimento, Ciência Espiritual, Exercícios

Compartilho com você uma visão para ampliar nossa experiência além de eu e outro, tempo e espaço, dentro e fora. 

Trata-se de um exercício criado pelo Gustavo Gitti do site Papo de Homem, inspirado em alguns ensinamentos do Lama Padma Samten e por outros experimentos de percepção de Alan Watts, Ken Wilber, Otto Scharmer, Douglas Harding, Carlos Castañeda e Richard Linklater. Para funcionar, é preciso que dedique 10 minutos e conduza sua percepção tomando os 22 itens abaixo como guia.

Estou fazendo isso junto com você, em primeira pessoa, mas escrevo em segunda pessoa para facilitar o entendimento, já que se eu descrevesse meu percurso mental em primeira pessoa você teria uma tendência a me observar de longe em vez de guiar sua própria mente para ver o que estou apontando.

É como se eu estivesse apontando com o dedo para uma rachadura na parede e você virasse a cabeça para ver a rachadura em vez de ficar olhando e analisando o meu dedo. Minha fala servirá como guia, não tanto como objeto de percepção em si mesmo. Ou seja, a partir de agora, você não mais estará lendo um texto, mas contemplando sua própria experiência pelos 5 sentidos e pela mente.

O processo é bem simples e pé no chão, não tem nada a ver com estados alterados da consciência, mas em apenas observar o que já acontece naturalmente e fazer uso da imaginação para abrir mais os olhos.

Talvez sua cabeça não exploda, mas é bem possível que após o último item o ambiente em que você está agora (seja ele qual for) se revele um vasto e assombroso espaço não definido, como um sonho sem vigília anterior ou um filme sem cinema. Não porque nossa experiência de mundo é uma ilusão ou porque vamos alucinar outra coisa, mas justamente porque vamos continuar vendo o que já estamos vendo, sem esforço, sem criar, sem alterar nada.


Olhando ao Redor:

1. Imagine como seria sua vida se você tivesse outras visões de mundo, outros padrões de comportamento, energias de hábito, pensamentos, emoções, outro corpo, outra vida, enfim. Você poderia ter nascido como o seu amigo que trabalha ao lado ou, se estiver sozinho, como o desconhecido que está passando na sua rua agora. Nesse sentido, todos os outros seres são você mesmo em outros mundos.

2. Agora olhe diretamente para um outro ser. Se estiver sozinho, imagine eu mesmo escrevendo esse texto ou uma aranha no canto da parede. Perceba que esse outro ser está tendo uma experiência sensorial 100% completa ao redor assim como é a sua, mas a partir de outra perspectiva. Se existirem 790 pessoas no seu prédio, existem 790 prédios nesse exato momento, pois o prédio nada mais é do que a experiência que algum ser tem do prédio – fora disso, não dá nem mesmo pra chamá-lo de prédio.

3. Ao sustentar imaginar essas 790 perspectivas, atente para o fato de que a sua é apenas uma. Ou seja, você viveu a vida toda apenas com uma perspectiva, como se o centro do universo inteiro fosse a sua cabeça. Não é fantástico? Dá até medo ou vontade de gargalhar. O mundo é um grande filme 3D: sempre parece que aquela abelha vem direto no nosso nariz, não no nariz dos outros.

4. Sinta a textura do seu mouse (ou do dispositivo que está usando agora). O que você pensa ser sua verdadeira textura é apenas o que você experimenta com a sua pele. Se você tivesse um outro tipo de pele, você teria outra experiência da superfície das coisas.

5. Bata com a mão na mesa. E depois use uma caneta para bater na mesa. E depois um papel. Qual é o verdadeiro som da mesa?

6. Olhe para a sua realidade 100% abrangente como se fosse apenas um só tecido luminoso. Contemple como todas as características que parecem existir lá fora são inseparáveis de nossos sentidos. As coisas e seres são vazias de características intrínsecas. São livres. Nada tem um som definido, pois depende de como se dá a experiência, de como surgimos juntos. Acreditar que alguém, um lugar ou uma situação é isso ou aquilo, bem, isso é tão inteligente quanto dizer que um belo chocolate é horrível depois de encher nossa boca com leite condensado estragado, que alterou completamente nossas papilas gustativas.

7. Olhe para a parede e atente para sua cor. Agora lembre que átomos não tem cor e que não há nenhuma informação definida de cor chegando pela luz, entrando nos olhos e sendo processada no cérebro. Se houvesse, uma abelha veria a mesma cor. Mas ela não vê e não temos a prepotência de achar que a abelha está processando errado, entendendo errado, alucinando. Se ela está alucinando, nós também estamos. Melhor então achar que são duas experiências de realidade em vez de achar que a realidade é de um jeito e a abelha está maluca.

8. Do mesmo modo, contemple a experiência de um deficiente visual ou auditivo e veja como ela é uma experiência 100% completa. Nada falta ao “portador de deficiência”. A deficiência só existe quando comparamos as experiências de realidade. Nesse sentido, todos nós somos deficientes se comparado com um ser que tem 12 sentidos ou com um morcego que se relaciona com coisas inacessíveis aos humanos.

9. Agora atente para a continuidade do mundo: não existe pausa nem intervalo, as experiências continuam surgindo como num filme sem frames. Mesmo quando vamos dormir, as experiências seguem em forma de sonho ou no vazio do sono sem sonhos. O mundo não cessa. Olhe para tudo agora e lembre de como as coisas estavam há 10 minutos. Onde está aquele presente agora? Se o passado é lembrado como um sonho ou um filme, isso significa que o presente já é esse sonho, com a diferença de estarmos vivendo-o agora, com essa experiência de realidade.

10. Depois de dissolver a ilusão de solidez, veja que não existe “o mundo”, mas mundos experimentados como um sonho vivido em primeira pessoa por incontáveis seres.
 

Olhando para dentro:

11. Foque nas sensações do seu corpo. O frio nos dedos, a língua tocando o céu da boca, o olho piscando, os pés no chão, alguma tensão nas costas, a bunda na cadeira. Se você consegue observar tudo isso, então você é outra coisa além dessas sensações.

12. Atente para as emoções e pensamentos. Suas opiniões sobre esse post, suas ideias sobre a realidade, alguma ansiedade ou impaciência, impulsos, desejos, listas de afazeres, planejamentos, lembranças da noite passada… Você consegue testemunhar tudo isso, você é o espaço no qual todas as imagens surgem. Você é livre para direcionar tais pensamentos e emoções, para surfar no que surge ou deixar aquilo ficar até cair por conta própria.

13. Note que você pode ouvir o que acontece atrás das paredes, em outras salas ou na rua, fora de seu alcance de visão. Onde está esse som? Lá fora ou aí dentro?

14. Feche os olhos após ler esse item e observe como você continua experimentando objetos externos (a uma certa distância) mesmo quando olha para dentro. Ou seja, é impossível olhar para dentro. Olhando para o exterior ou para o interior, tudo é visto lá fora, externamente, mesmo imagens mentais e sensações corporais.

15. Nesse sentido, todos os objetos surgem em um espaço que não tem dentro e não tem fora. Sons e pensamentos, objetos externos e objetos internos são da mesma natureza.

16. Respire e repouse nessa abertura pela qual o mundo se desenrola. Há um grande espaço no qual você surge junto com as coisas. Você é um outro para si mesmo. Você pode ver a si mesmo como uma outra pessoa, assim como vê sua imagem no espelho e se esforça para lembrar que aquele é você.

17. Enquanto olha para si mesmo como um outro, você nota que essa espacialidade é livre de todas as coisas com as quais você vai se identificar no minuto seguinte. E então você sorri para tudo o que você acha que você é, todas as identidades que surgiram em suas diversas relações, todos os seus dramas, emoções, achismos, filosofias, medos, orgulhos, vitórias, derrotas. Tudo dança nesse espaço.


Olhando para tudo:

18. Olhe novamente para os outros seres ao seu redor (ou imagine-os). Veja como eles são idênticos a você. Como eles vivem em mundos de significação, tomam fatos como naturais, tem metas e desejos, prioridades, impulsos, certezas. Observe como cada um deles não é uma pessoa, mas uma bolha, um mundo inteiro.

19. Observe como eles chegam para trabalhar sem perceber o assombro que é nascer e não saber da onde, morrer e não entender por quê. Contemple como eles rodopiam a partir de seus próprios referenciais, deixando comentários em blogs, fofocando, sorrindo, chorando, falando alto, se debatendo, reclamando, se empolgando, se frustrando.

20. Sabendo que cada um está com seu próprio videogame, em um certo jogo, filme, mundo, imagine como seria divertido ir além do próprio jogo, filme, mundo e ajudar as pessoas a fazer o mesmo. Pense em como é impossível acordar de um sonho sem cair em outro, então visualize como seria jogar um jogo sabendo que é jogo, atuar sabendo que é um filme, viver um sonho lúcido.

21. Esconda o sorriso malicioso que surgiu agora e volte ao mundo com essa loucura como pano de fundo, lembrando que todos os outros também tem esse mesmo sorriso por trás de suas seriedades.

22. De vez em quando, experimente não se restringir a se relacionar com as identidades dos outros dentro desses jogos. Pare de focar a tela e dê um toque no ombro do cara ao lado no sofá, pegue na perna de sua mulher e olhe diretamente nos olhos de jogador, de ator, de sonhador das pessoas.