Translate

segunda-feira, 24 de maio de 2010

A Origem dos Salmos - O Salmo 151



A autoria da maioria dos salmos é atribuída ao rei Davi, o qual teria escrito pelo menos 73 poemas. Asafe é considerado o autor de 12 salmos. Os filhos de Corá escreveram uns nove e o rei Salomão ao menos dois. Hemã, com os filhos de Corá, bem como Etã e Moisés, escreveram no mínimo um cada. Todavia, 51 salmos seriam tidos de autoria anônima.

O período em que os salmos foram compostos varia muito, representando um lapso temporal de aproximadamente um milênio, desde a data aproximada de 1440 a.c, quando houve o êxodo dos Israelitas do Egito até o cativeiro babilônico, sendo que muitas vezes esses poemas permitem traçar um paralelo com os acontecimentos históricos, principalmente com a vida de Davi, quando, por exemplo, havia fugido da perseguição promovida pelo rei Saul ou quanto ao arrependimento pelo seu pecado com Bate-Seba.

Poemas de louvor, os salmos foram inicialmente transmitidos através da tradição oral e a fixação por escrito teve lugar sobretudo através do movimento de recolha das tradições israelitas, iniciado no exílio babilônico pelo profeta Ezequiel (séculos VII-VI a.C.). Como tal, muitos destes textos serão muito anteriores, sendo bastante difícil a sua crítica do ponto de vista literário estrito. Ainda assim, tendo em conta a comparação com a literatura poética coeva do Egito, da Assíria e da Babilonia, pode-se afirmar que estes poemas de Israel são um dos expoentes da poesia universal.

Os salmos, em termos de conteúdo, possuem estrutura coerente, o que também pode ser observado em passagens do Antigo Testamento e em obras literárias do Oriente Médio da Antiguidade.

Tal como em outras tradições culturais, também a poesia hebraica andava estreitamente associada à música. Assim, embora não seja de se excluir para os salmos a possível recitação em forma de leitura, "todavia, dado o seu gênero literário, com razão são designados em hebraico pelo termo Tehillim, isto é, «cânticos de louvor», e, em grego psalmói, ou seja, «cânticos acompanhados ao som do saltério».

De fato, todos os salmos possuem um certo caráter musical, que determina o modo como devem ser executados. E assim, mesmo quando o salmo é recitado sem canto, ou até individualmente ou em silêncio, a sua recitação terá de conservar este caráter musical.

Os salmos acabaram por constituir um hinário litúrgico para uso no templo de Jerusalem, do qual transitaram quer para a sinagoga judaica, quer para as liturgias cristãs.

Na Igreja Católica, os 150 salmos formam o núcleo da oração cotidiana: a chamada Liturgia das Horas, também conhecida por Oficio Divino e cuja organização remonta a São Bento de Núrsia. A oração conhecida por rosário, com as suas 150 Avé-Marias, formou-se por analogia com os 150 salmos do Ofício.

Vários salmos são considerados pelos teólogos como proféticos ou messianicos, pois referem-se à vinda do Cristo e, por isso, existem muitas citações de versos dos salmistas no Novo Testamento com o propósito de provar o cumprimento das profecias na pessoa de Jesus.

O Salmo 150 constituiria uma doxologia, ou arremate de louvor do livro.

Variações entre as traduções

O livro dos Salmos chegou até nós em suas versões grega (Septuaginta) e hebraica. A versão grega deste livro, como de toda a bíblia, foi utilizada pelos cristãos convertidos e por São Jeronimo na confecção de sua edição "Vulgata", tradução latina dos livros inspirados. Na Reforma Protestante é que se buscou os manuscritos originais hebraicos para fazer novas traduções e foi constatada a diferença que havia entre as duas traduções: as versões, apesar de terem o texto completo, diferem na numeração de capítulos e versículos.

Versículos

A versão grega costuma apresentar, na maioria dos salmos, um versículo de introdução, em que são atribuídas autorias e apontados instrumentos que deveriam ser utilizados ao se cantar os textos. Este versículo faz com que a versão hebraica tenha, nesses casos, um versículo a menos, uma vez que essas informações não são consideradas inspiradas por essa versão.

Capítulos

Veja a tabela abaixo:



Aplicação

No Judaísmo e no Protestantism o, a numeração usada sempre foi a hebraica.

A Igreja Católica, considerando oficial a tradução da "Vulgata", por muito tempo usou a numeração grega em suas bíblias. Porém, estudiosos consideram essa numeração errada, uma vez que certos salmos, que parecem ser um só, estão separados, enquanto outros, de assuntos bem diferentes, estão juntos. 

Vendo que a Vulgata era falha ao se basear somente num texto (Septuaginta), e no ínterim de novas descobertas das Escrituras (Manuscritos do Mar Morto), a Igreja permitiu a tradução das Escrituras diretamente dos originais (Constituição Dogmática Dei Verbum) e promoveu uma nova tradução e revisão da Bíblia (Neovulgata), que, desta vez, trouxe a numeração dos salmos a partir da versão hebraica, mas não resolveu a questão dos versículos introdutórios. 

A despeito desta nova tradução católica, é possível encontrar bíblias católicas que ainda se baseiam na Vulgata, por seu tradicionalismo, como é o caso da bíblia da Editora Ave Maria.

Tipos de Salmos

Os Salmos são classificados em:

a) Salmos de Louvor;
b) Salmos de Ação de Graças;
c) Salmos de Lamentação e Súplica;
d) Salmos de Sapiência.

Realizamos uma outra classificação com o objetivo prático de consulta, a saber:

1. Salmos de Louvor
2. Salmos da Realeza
3. Salmos da Realeza de Deus
4. Salmos de Ação de Graças
5. Salmos de Lamentação e Súplica
6. Salmos de Confiança
7. Salmos de Vigilia
8. Salmos Didáticos ou de Sabedoria

✑ Salmos de Louvor


Esses Salmos foram compostos para cerimônias litúrgicas. Eram cantados por ocasião das solenidades de Israel. Possuem caráter comunitário que se manifesta pelo uso do diálogo, coro, refrão, aclamação. Seus elementos característicos são: invocação a Deus, convite ao louvor, motivos laudatórios (que encerram louvor), bênçãos e orações.

Sob a forma de hinos, os Salmos de Louvor celebram a soberania do Criador e do Deus da aliança. Dividem-se da seguinte forma:

Hinos ao Criador - Salmos 8, 19, 33 e 104
Hinos ao Senhor da história - Salmos 65, 113, 114, 117, 135, 136, 145 e 150
Hinos históricos - Salmos 78, 105 e 106
Hinos litúrgicos* - Salmos 124 e 132
Cânticos de peregrinação** - Salmos 120-134
Cânticos de Sião*** - Salmos 46, 48, 76, 84 e 122

(*) - Eram saudados em grandes solenidades, como a procissão da arca da aliança.
(**) - Exaltam Jerusalém e o Templo.
(***) - Os poemas trazem a mensagem da esperança de plenitude: a vinda do Messias e do reino definitivo de Deus.

✑ Salmos da Realeza


Esses Salmos glorificam os monarcas da dinastia de Davi como representantes de Deus.

Salmos 2, 18, 20, 21, 45, 72, 89, 101, 110 e 132

✑ Salmos da Realeza de Deus


Celebram a sabedoria universal de Deus, como Rei por excelência.

Salmos 47, 93, 96-99

✑ Salmos de Ação de Graças


Nas cerimonias litúrgicas os fiéis, acompanhados de parentes e amigos, ofereciam a Deus a ação de graças pelos favores alcançados. Esses Salmos caracterizam-se pela invocação, convite à ação de graças, retrospecto sobre a aflição, relato da intervenção de Deus como salvador, anúncio do sacrifício de ação de graças, orações e promessa de louvor. Apresentam caráter individual e coletivo.

Individual - Salmos 9, 18, 30, 32, 34, 40, 41, 66, 92, 107, 116, 118 e 138

Coletivo - Salmos 66, 124 e 129


✑ Salmos de Lamentação e Súplica


Caracterizam-se pela lamentação, acompanhada de oração sobre o tema do perigo de vida, a opressão do inimigo, ou de outra circunstância aflitiva pessoal. Dividem-se, pela natureza, em individual e coletivo.

Individual - Salmos 5, 6, 7, 10, 13, 17, 22, 25, 26, 28, 31, 35, 36, 38, 39, 42, 43, 51, 54-57, 59, 61, 63, 64, 69, 70, 71, 86, 88, 94, 102, 109, 120, 130, 140-143

Coletivo - Salmos 12, 14, 44, 58, 60, 74, 77, 79, 80, 83, 85, 90, 94, 108, 123, 137

✑ Salmos de Confiança


Caracterizam-se também por lamentações, mas com um forte conteúdo na confiança no Deus altíssimo. Dividem-se, por sua natureza, em individual e coletivo.

Individual - Salmos 3, 4, 11, 16, 23, 27, 62, 63, 91, 121, 129 e 131

Coletivo - Salmos 46, 123, 125 e 126

✑ Salmos de Vigília


Eram utilizados para a véspera de grandes solenidades litúrgicas.

Salmos 5, 17, 27, 30, 57, 63 e 143

✑ Salmos Didáticos ou de Sabedoria


Caracterizam-se pelas formas estilística e temática.

Estilística: Reflexões, provérbios, preceitos, comparações e ilustrações tomadas da natureza, perguntas retóricas, advertências e exortações com a finalidade de instruir os mais ignorantes e estimular os menos fervorosos.

Temática: Estudo da lei como fonte de bênção e felicidade, a meditação dos ministérios da fé, a confiança pessoal em Deus, o valor da justiça como sinônimo de vida espiritual, o homem justo como modelo, a antítese entre justos e ímpios, a retribuição divina.

Os Salmos Didáticos estão classificados em:

Salmos alfabéticos (37, 111, 112, 119 e 145)
Salmos histórico-didáticos (78, 105 e 106)
Salmos litúrgico-didáticos (15, 25 e 134)
Salmos de exortação profética (14, 50, 52, 53, 75, 81 e 82)
Salmos sobre retribuição (37, 43, 49, 73 e 91)
Salmos de instrução ou sabedoria (1, 37, 49, 73, 112, 119, 127 e 133)

✑ Salmos Proféticos

Alguns salmos são considerados proféticos ou messiânicos pela Teologia cristã, pois apontam para a vinda do Messias, sendo com freqüência citados no Novo Testamento da Bíblia com o objetivo de identificar Jesus Cristo como o cumpridor da promessa.

No Salmo 2, que fala do reinado do Ungido de Deus, verificam-se algumas citações no livro de Atos e na Epístola aos Hebreus.

Já o Salmo 8 que fala da glória divina e da dignidade do Filho do Homem é citado no Evangelho de Mateus, bem como em algumas epístolas de Paulo.

Por sua vez, o Salmo 16 é uma referência à ressurreição de Cristo em seu verso 10, quando Davi assim profetiza:

"Pois não deixarás a minha alma na morte, nem permitirás que o teu Santo veja corrupção."

Por sua vez, o Salmo 22 fala do sofrimento e da vitória do Messias que se entende cumprido na crucificação de Jesus, principalmente devido aos versos 7 e 18 que, respectivamente, coincidem com a zombaria experimentada durante o martírio e a repartição das vestes pelos soldados.

Todos esses salmos foram proferidos pelo rei Davi, que teria governado Israel um milênio antes do ministério de Jesus.

Importante destacar que tais salmos referem-se à numeração da Bíblia protestante, o que deve ser observado pelo leitor ao consultar a Bíblia católica, cujo conteúdo é o mesmo.

SALMO 151 - O Salmo Apócrifo

Este Salmo apócrifo foi encontrado na antiga versão grega, bem como, com algumas variações, em versão siríaca.


1a – Salmo de Davi. Ação de graças de Davi após combater Golias:

1b – Eu era o menor entre meus irmãos, o mais novo da casa de meu pai. Ao conduzir o rebanho de meu pai para o pasto, encontrei um leão e um urso: matei-os e despedacei-os.

2a – Por minhas mãos construí uma flauta, meus dedos fizeram uma harpa.

2b – Os montes nada testemunharam, as colinas nada proclamaram; entretanto, as árvores exaltaram as minhas palavras e o rebanho [exaltou] os meus feitos.

3a – Quem anunciará a meu Senhor?

3b – Quem proclamará, quem divulgará, quem anunciará os feitos do Senhor de todas as coisas? Deus viu, escutou e ouviu a tudo.

4 - Ele enviou seu mensageiro para ungir-me, enviou Samuel para tornar-me grande. Ele me tirou do meio do rebanho de meu pai e ungiu-me com o seu óleo.

5a – Meus irmãos eram belos e altos, mas o Senhor não os preferiu.

5b – Ele me retirou de trás do rebanho, ungiu-me com o santo óleo, fez de mim o condutor de seu Povo, o rei dos filhos da sua aliança.

6 - Enfrentei o filisteu, que amaldiçoou-me por seus ídolos.

7 - Arranquei-lhe a espada, cortei-lhe a cabeça, e lavei a afronta aos filhos de Israel.

(Fonte: wikipedia - http://www.jornaldosamigos.com.br/os_salmos.htm#louvor)

Recomendado para você

Nenhum comentário: