Translate

domingo, 10 de março de 2019

"O Esforço da Meditação", por Paul Brunton




"O número de pessoas que continuam suas práticas regulares de meditação é muito menor que o número de pessoas que a abandonam. A pressão da vida moderna é demais para elas.

Os ocidentais não simpatizam muito com a meditação, em razão do esforço requerido para se concentrar e introverter a atenção. Esse esforço os fadiga excessivamente e é devido à falta de familiaridade e prática. Mas essa antipatia tem também um elemento misterioso, cuja origem está escondida no desejo do ego de evitar qualquer auto-aprofundamento que penetre além de sua superfície. Porque isso levará à exposição e destruição do ego.

A Yoga não termina quando o yogue pode se concentrar perfeitamente e manter sua mente quieta. Ele deve ir além e dominar as avançadas fases da jnana yoga – a união com a verdade. A Busca é muito maior que a meditação – ela inclui a meditação às vezes, mas não necessariamente sempre.

A meditação acalma as paixões e aquieta o ego, mas não o extingue. As paixões e o ego só serão extintos através do pensar correto. O objetivo da meditação é chegar cada vez mais perto do Centro do ser. É meditação o que os quakers chamam de "esperando no Espírito Santo", e o que Swedenborg chamou de "abrir a mente ao influxo do Senhor".

Quando os filósofos chineses usaram a frase "sentado em esquecimento", expressaram o mesmo que os yogues hindus chamaram de "sentado em meditação". O esquecimento se refere ao mundo e seus afazeres, suas cenas e eventos, bem como se refere ao corpo físico."

Sobre o Autor: Paul Brunton nasceu em Londres em 1898 e após ter servido na primeira guerra mundial, começou a devotar-se ao misticismo, entrando em contato com Teosofistas. Em meados de 1930, Paul Brunton embarcou em uma viagem para a Índia, que o levou a ter contato com iluminados como Sri Shankaracharya de Kancheepuram e Sri Ramana Maharshi. De fato, Paul Brunton tem o crédito de introduzir os pensamentos de Ramana Maharshi à cultura ocidental através dos seus livros "A Search in Secret India"(A india secreta) e "The Secret Path" (O caminho secreto).

Após duas décadas de sucesso com seus livros, Paul Brunton retirou-se da vida editorial, devotando-se a escrever ensaios e pequenas notas. Até a sua morte em 1981 em Vevey, Suíça, ele publicou mais de 20.000 páginas de escritos filosóficos.

Nenhum comentário: