Translate

terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Nos Ossos Que Aqui Estamos Pelos Vossos Esperamos ☠ A Capela dos(as) Caveiras

Poema sobre as caveiras

As caveiras descarnadas
São a minha companhia,
Trago-as de noite e de dia
Na memória retratadas
Muitas foram respeitadas
No mundo por seus talentos,
E outros vãos ornamentos,
Que serviram à vaidade,
E talvez...na eternidade
Sejam causa de seus tormentos.


A imagem dos esqueletos pretende lembrar a transitoriedade da vida

Poema sobre a existência

Aonde vais, caminhante, acelerado?
Pára...não prossigas mais avante;
Negócio, não tens mais importante,
Do que este, à tua vista apresentado.

Recorda quantos desta vida tem passado,
Reflecte em que terás fim semelhante,
Que para meditar causa é bastante
Terem todos mais nisto parado.

Pondera, que influído d'essa sorte,
Entre negociações do mundo tantas,
Tão pouco consideras na morte;

Porém, se os olhos aqui levantas,
Pára...porque em negócio deste porte,
Quanto mais tu parares, mais adiantas.


Fotos: Rafaela e Diva Labatut - Texto: Poemas dentro da capela.

Nenhum comentário: