Translate this blog

quarta-feira, 30 de abril de 2014

Por que Deus se esconde de nós?



Por que, Deus? Por que o Senhor fica lá tão longe? Por que o Senhor se esconde nas nossas horas difíceis (Sl 10,1)? Por quanto tempo, Senhor, vai esquecer-me para sempre? Vai esconder Seu rosto de mim por quanto tempo (Sl 13,1). Não esconda tua face de mim (Sl 27,9). Por que o Senhor esconde Sua face e esquece nossa miséria e a opressão que cai sobre nós (Sl 44,24)? Por que o Senhor me rejeita e esconde Seu rosto de mim (Sl 88,14)? Por que me trata como inimigo e esconde Seu rosto de mim (Jó 13,24)? 

Os poemas e canções do povo hebreu abordavam com enorme freqüência o silêncio de Deus. Nada está oculto aos seus olhos, mas Ele está oculto aos nossos (Lc 8,17). Um dia eu verei a Sua face, mas agora nada está claro. Moisés quis antecipar esta hora e acabar com esse jogo de esconde-esconde e Deus lhe disse que ele, Moisés, não suportaria tal visão. Pediria para morrer (Ex 33,20). Nada mais dramático e exigente. 

Leremos na mesma Bíblia que alguns patriarcas como Jacó e reis como Salomão afirmaram ter visto Deus. Noutros casos, fala-se do anjo do Senhor. Leremos também que Deus não é visível e que ninguém jamais O viu. Que afirmação prevalecerá? É possível alguém ver Deus? É possível que olhos humanos vejam quem não tem corpo, nem rosto nem aparência com nada do que se conhece? Paulo diz que experimentou algo que ele não saberia descrever. Chamou aquilo de visita ao terceiro céu. Só Paulo pode saber do que estava falando. Usou de símbolos e paráfrases. Não sabia se o que viu era no corpo ou fora do corpo (2 Cor 12,1). Só sabia que foi tão bom que ele gostaria de estar lá e não aqui. Morrer seria lucro, depois do que experimentou. Não ousou dizer que viu Deus, mas foi algo fora do comum. O Deus que ele nunca vira lhe dera um sinal e o sinal fora suficientemente forte para querer morrer. Estava vivo porque ainda precisavam dele, mas não queria mais estar por aqui. Se aquilo era céu, então ele queria mais daquilo. 

Os três videntes que presenciaram Jesus transfigurado, primeiro tiveram medo porque nunca tinham visto um brilho tão grande numa pessoa, depois entenderam do que se tratava e quiseram ficar lá. Jesus é que os mandou de volta pedindo que não contassem a ninguém até depois de sua ida para o Pai (Mc 9,1-10). Significativamente, diz a tradição que Pedro foi o primeiro papa, Tiago o primeiro mártir e João o apóstolo que mais tempo viveu. Não sabemos qual foi o critério de Jesus ao escolher os três, mas aquilo os confirmou, mesmo tendo cometido suas falhas pessoais. Os dois pensaram em lugares de destaque no Reino (Mt 20,21-23); Pedro jurou não conhecer Jesus (Mt 26,74). 

Os que experimentaram o consolo e receberam algum sinal claro de Deus, mostram isso na sua vida. Mudam totalmente. Quando é encontro verdadeiro, seu viver é o Cristo (Gl 2,20). É diferente dos que berram a plenos pulmões e vociferam seu encontro com Deus. 


Estão sempre cheios de acusações e preconceitos contra quem não viu o que eles viram. Eles viram a luz e o resto está nas trevas. É um tipo de loucura que não tem nada a ver com fé. Os fanáticos não se dão conta do ridículo que é seu comportamento. Se tivessem mesmo encontrado o Deus misericordioso, como garantem que encontraram, não atacariam tanto os que pensam diferente. Até porque Jesus dá o primeiro exemplo de acolhimento. 

Os que se fecham no seu grupo e acham que só eles foram chamados, mostram que não viram nem ouviram o que dizem que ouviram. Depois que eles acharam ninguém mais tem que achar nada. Dêem ouvidos e ponto final, porque a sã doutrina é a deles. 

Bem mais santos e humildes são os que admitem que Deus está oculto e não é visível. Por isso, Paulo descreve sua experiência e tem o cuidado de dizer que não sabe bem o que se passou. Mais tarde, noutra carta, ele fala do prêmio que espera pelo bom combate que fez (2 Tm 4,7). Sua hora se avizinhava e ele espera ir ver o que tanto quis ver. Mas não, Paulo não tece a coragem de dizer que viu Deus. Sua vida era Jesus e quem vê Jesus já sabe como é Deus (Jó 14,8-14). Filipe dissera: Mostra-nos o Pai e isso basta. Jesus respondeu que o oposto é que era verdade: Basta que me olhem e verão o Pai, porque o Pai e eu somos um (Jo 10,30; Jo 1,18; Jo 8,19). 

Encontrar Jesus é o começo da visão beatifica. Mesmo que nunca o tenhamos visto com os nossos olhos, sentir amor por Ele, penitenciar-se dos erros passados por causa Dele, querer o bem de todos por causa Dele, não cair no fanatismo por causa Dele, superar os fechamentos por causa Dele, aceitar ouvir os outros e admirar os outros que Ele abençoou, é já o começo do céu. Jesus é muito claro a esse respeito. 

Muita gente que falou e vociferou, cantou e disse, com mansidão estudada, o nome Dele e fez discípulos e curou e expulsou demônios, pode não entrar no céu nem ter a visão beatifica de Deus (Mt 721-23) porque não viu o que deveria ter visto: os pobres e sofredores ao seu redor (Mt 25,32-46). Quem vai ver o Deus oculto é quem cuidou dos pobres e sofredores. Quem só pregou bonito e fez seguidores não está garantido.(Mt 7,21). 

Deus não é visível. Mas quem vê a dor do outro e faz alguma coisa por ele tem mais chance de ver o Senhor. Toda contemplação começa por aí! Depois podemos até nos ocultar nos mosteiros, ou numa ilha, desde que não seja fuga! Mas o Deus que se esconde de nós está lá no meio dos pobres e sofredores (Mt 10,42). Um simples copo de água pode ser o começo da chance de conhecê-lo. O soldado romano Cornélio foi escolhido e chamado a conhecer Jesus porque foi para com os pobres (At 10,1-23). 

Fonte: www.padrezezinhoscj.com

Recomendado para você

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...