Translate this blog

domingo, 22 de agosto de 2010

O Zen e a Experiência Mística

Prefácio do livro O Zen e a Experiência Mística, de Alan W. Watts

"Embora escritos em épocas diferentes, durante os últimos quatro anos, os ensaios aqui reunidos têm um mesmo enfoque central – a experiência espiritual ou mística e suas relações com a vida material de todos os dias. Tendo dito isto, imediatamente tomo consciência de ter usado as palavras erradas e, mesmo assim, não vejo alternativas satisfatórias.

As palavras espiritual e mística sugerem coisas incomuns, de outro mundo e de uma religiosidade sublime, oposta à vida material corrente, que é, simplesmente, prática e trivial. O propósito principal destes ensaios é mostrar a falácia dessa oposição e a impossibilidade de separar o material do espiritual, o maravilhoso do rotineiro.

Temos, acima de tudo, de nos desembaraçar dos hábitos de falar e pensar separando as duas coisas e impossibilitando-nos de ver que isto – a experiência imediata, cotidiana e presente – é ISSO, a razão total e última para a existência de um universo...

Não sou um pregador, nem um reformador, pois gosto de escrever e falar sobre essa maneira de ver as coisas do mesmo modo como as pessoas cantam no banheiro ou mergulham no mar. Não há, portanto, de minha parte, nenhuma missão a cumprir nem qualquer veleidade de converter ninguém, mas acredito que, se esse estado de consciência se tornasse mais universal, o pretenso absurdo que passa por negócios sérios deste mundo acabaria numa gargalhada.

Deveríamos enxergar logo que os elevados ideais, pelos quais estamos nos matando e subjugando uns aos outros, são substitutos vazios e abstratos para os milagres despercebidos que nos rodeiam – não apenas os milagres óbvios da natureza, mas também o fato esmagador e fantástico da simples existência.

Não acredito, nem por um instante, que um despertar como esse nos privasse da disposição e do interesse pela vida em sociedade. Ao contrário, metade do seu encanto – embora o infinito não tenha metade – consiste em reparti-lo com os outros,(...)

Nenhum comentário: