Translate this blog

sábado, 10 de julho de 2010

O Islã e o Profeta Muhammad

Salam Aleikum wa Rahmatullahi wa Barakatu

O Islamismo, Islam ou Islã (do árabe الإسلام, transl. al-Islām) é uma religião que conta hoje com cerca de 1,2 bilhão de seguidores, foi fundada há 1.400 anos no que hoje é a Arábia Saudita, pelo Profeta Muhammad (Maomé). "A paz esteja com ele", uma benção repetida a qualquer menção de seu nome, mostra a reverência que se tem pelo Profeta. Contudo, segundo o próprio relato, o islã começou como o modo de vida, ou din (geralmente traduzido como "religião"), que Deus pretendeu para sua criação desde o início.

Crenças islâmicas

A crença muçulmana se exprime na fórmula chamada chahada, ou profissão de fé: "Só há um Deus e Muhammad é o Seu profeta". Os muçulmanos acreditam num juízo final e na vida após a morte no céu ou no inferno. Eles seguem a orientação espiritual do Corão ou Alcorão, o livro sagrado do Islã, e dos hadiths, palavras e atos de Muhammad e seus companheiros.

O mundo islâmico

Assim que a fé foi revelada a Muhammad, o islamismo difundiu-se rapidamente pelo Oriente Médio e pelo norte da África. O Oriente Médio ainda é o centro do mundo islâmico e essa fé predomina em todos os países da região, exceto Israel. Todos os muçulmanos se voltam para Meca ao rezar e esperam visitá-la em peregrinação ao menos uma vez na vida. Também há muçulmanos no norte da África e em países do leste da Ásia como a Indonésia. O islã é a religião que se expande mais rapidamente no planeta, devido à atividade missionária e ao crescimento da população nos países muçulmanos.

História do Islã

Os muçulmanos acreditam que o islã sempre existiu como modo de vida que Deus destinou à humanidade. Ela teria enviado uma série de profetas, tais como Musa (Moisés), para atrair as pessoas à verdadeira fé, culminando com Muhammad como mensageiro de Deus. A fé islâmica foi revelada a Muhammad no século 7º. À época de Muhammad e seus seguidores imediatos, o islamismo se espalhou pelo oeste da Ásia e pelo norte da África. Mais tarde, as viagens dos mercadores árabes, as descobertas dos cientistas muçulmanos e as conquistas de seus soldados difundiram a fé em todo o mundo.
Ensinamentos e Escrituras

O fundamento da fé islâmica é o Corão, escritura sagrada que para os muçulmanos representa a palavra divina. O Corão trata de Deus e de Sua grandeza, da necessidade de obedecer-Lhe e de Sua ira contra os incréus. Trata também do papel de Muhammad como mensageiro de Deus. Contém ainda uma infinidade de preceitos sobre a família e a comunidade. Esse material é complementado pela suna ("caminho", ou costume "costume"), síntese dos atos e palavras de Muhammad contidos nos hadiths. Juntos, o Corão e a suna constituem as fontes principais da lei islâmica.

Rituais e Festas

Os rituais constituem a essência da prática islâmica. Os mais importantes são os Cinco Pilares do Islã - ações que todos os muçulmanos devem praticar. Eles incluem orações diárias, um jejum anual e ao menos uma peregrinação na vida à cidade sagrada de Meca. Ritos de passagem, que marcam os diferentes estágios da vida do indivíduo e de sua família, também são importantes. A família é o âmago da comunidade islâmica e cerimônias religiosas muitas vezes envolvem todos os seus membros. Os rituais incluem cerimônias de nascimento e batismo, e a iniciação da criança à educação religiosa. Além disso, várias festas islâmicas são celebradas anualmente em todo o mundo muçulmano. Elas se caracterizam pela sobriedade e servem para estreitar laços comunitários e fortalecer a fé.

Misticismo (Sufismo)

O Sufismo (árabe: تصوف, tasawwuf; persa:صوفی‌گری Sufi gari; egípcio: Suph) é a corrente mística e contemplativa do Islã. Os praticantes do Sufismo, conhecidos como sufis ou sufistas, procuram uma relação direta com Deus através de cânticos, música e danças. Os Sufis da ordem Melevi, mais conhecidos no Ocidente como Dervixes Rodopiantes, são vistos pelos fieis muçulmanos, comuns, como um ramo separado do Islã. O sufismo é antes uma forma de mística que pretende alcançar um contato direto com Deus, através de uma série de práticas que geralmente incluem o ascetismo, a meditação, os jejuns, cantos e danças.

A palavra Sufismo (Tasawwuf) é de origem misteriosa, entretanto o termo poderá provir de sūf, "lã", o que se encontra relacionado com o fato de os primeiros sufis vestirem roupas feitas com o material, imitando os ascetas cristãos da Síria e da Palestina. Outra teoria procura relacionar sufismo com a palavra árabe safa, que significa "pureza".

O Sufismo já existia como movimento no primeiro século de fundação do Islã. Para os sufis, o próprio profeta Muhammad seria um deles, já que levava uma vida extremamente simples, tendo por hábito retirar-se de Meca para meditar numa caverna, tendo desta forma estabelecido uma relação próxima com Deus. Um dos primeiros representantes do sufismo foi al-Hasan al-Basri (642-728), que rejeitou o materialismo do mundo e criticou os soberanos omíadas. Saliente-se ainda deste período inicial uma mulher, Rabi'ah al-Adawiyah (? - 801), cujo amor por Deus leva-a a excluir o apego ao mundo.

Desde os séculos XII e XIII, os sufis organizam-se em ordens ou irmandades (tariqas), que seguem os métodos de realização espiritual ensinados por determinados mestres (os Xeques ou Pirs). As ordens sufis podem ser encontradas quer no sunismo, quer no xiismo. O Sufismo foi por vezes entendido pelas autoridades ortodoxas muçulmanas como uma ameaça, tendo os seus líderes e adeptos sido alvo de perseguições. O Sufismo tem sido igualmente criticado devido ao fato de alguns dos seus mestres terem alcançado um estatuto de santo, tendo sido erguidos santuários nos locais onde nasceram ou faleceram, tornando-se locais de peregrinação.

Os cinco pilares da fé Islâmica

1- A declaração da fé chamada de shahada: “Confesso que não há outro deus a não ser alá e que Maomé é o profeta de Alá”. Essa frase tem que ser dita pelo muçulmano ao levantar e antes de dormir.

2- O ritual de oração realizado cinco vezes por dia por todos os islâmicos acima de 10 anos. A oração é feita em direção à cidade de Meca, na Arábia Saudita.

3- Observar o jejum durante o mês sagrado do Ramadã (tempo especial para oração intensa e auto-exame), que ocorre no nono mês do calendário islâmico.

4- Dar esmolas aos pobres, o equivalente a 2,5% das economias de um ano.

5- Pelo menos uma vez na vida , fazer o hajj, a peregrinação à cidade de Meca (durante o hajj, o islâmico se dedica inteiramente a Alá). Cada peregrinação costuma reunir dois milhões de muçulmanos de todo o mundo em Meca. O alvo da peregrinação é a caaba, construção em forma de cubo na qual se reverencia um meteorito negro que fica no centro da grande mesquita em Meca.

Culto

A oração é a principal forma de culto no islã. Os muçulmanos oram cinco vezes ao dia, em horários anunciados pelo almuadem. Na sexta-feira a tarde, os muçulmanos vão à mesquita para uma cerimônia comunitária que inclui um sermão e orações especiais conduzidas por um imã. O Corão instrui os muçulmanos quanto à "maneira" de orar, de modo que a postura física é tão importante quanto as palavras. Nas preces rituais o fiel adota uma série de posturas (em pé, curvado ou prostrado, posição em que os dedos dos pés, os joelhos, as mãos e a testa têm de tocar o chão.

Conhecimento e Arte

Os muçulmanos acreditam que Deus criou todas as coisas - portanto, descobrir o mundo é aprender sobre a criação. Com base nisso o islã sempre valorizou o conhecimento e a erudição. O mundo islâmico expandiu-se de maneira constante entre 600 e 1200, com as viagens dos mercadores muçulmanos pelo norte da África, Ásia e sul da Europa. A Espanha muçulmana tornou-se um centro vibrante de erudição e criatividade artística, que levou à difusão de descobertas científicas orientais e islâmicas na Europa da Idade Média.

O Profeta Muhammad (que a Paz e a Bênção de Deus estejam sobre ele) disse:

"Eu vos aconselho que observeis nove assuntos, cuja observância meu Deus aconselhou-me:

1º- Ser sincero, tanto no sigilo quanto no declarado;
2º- Ser justo, tanto quando satisfeito, como na insatisfação;
3º- Ser comedido, tanto na fartura quanto na pobreza;
4º- Perdoar quem me injustiçou;
5º- Dar a quem me privou;
6º- Manter vínculos com quem rompeu comigo;
7º- Que meu silêncio seja: pensar;
8º- Que minha fala seja: citar o nome de Deus;
9º- Que o meu olhar seja: tirar lições."

"Ó crentes, amparai-vos na perseverança e na oração, porque Allah está com os perseverantes". (Alcorão surata 2:153)

A Oração no Islam - Sheikh Taleb Hussein Al-Khazraji - Tradução Aídah Rumi

Referências:
http://ofu.com.br/blog/
http://www.vidaperpetua.com.br
http://islamicchat.org/salat.html
http://pt.wikipedia.org/wiki/Isl%C3%A3o
http://www.scribd.com/doc/31688012/null
http://misteriosantigos.com/artigos/modules/articles/print.php?id=5
http://www.islamhoy.org/principal/portugues/textos/ditos%20do%20profeta.htm

As-Salamu Alaikum (السلام عليكم) Que a paz esteja sobre vós!

Ma'a salama (مع السلامة) Até breve!

Nenhum comentário: